quarta-feira, fevereiro 03, 2010

Caos?

Já se sabe que muito do que se lê nos jornais é para dar desconto, e sobretudo os títulos servem sobretudo para chamar a atenção nem sempre se justificando com o texto que vem a seguir. Mas este título cumpriu a sua missão de me chamar a atenção "Metade das ONG não está a fazer nada aqui no Haiti"
Devo dizer que tenho muito respeito pelas ONGs. Pelo menos no conceito que as forma. A ideia da ‘sociedade civil’ tomar nas suas mãos a solução de alguns dos problemas graves que afectam as pessoas, só me merece aplauso.
Contudo, não é de hoje que tenho um bichinho a moer-me em relação a muitas ONGs. Sem duvidar da bondade de quem as criou, tenho para mim que muitas delas pouco mais fazem do que à conta das contribuições dos dadores enviarem pessoas para lugares exóticos de que depois nos fazem narração sem grande controlo de ninguém. Posso estar enganada.
Mas a entrevista a este senhor que diz ser jornalista (pouco conhecido em Portugal apesar de ser português) traça um quadro muito negro da situação no Haiti onde a ideia com que se fica é de um completo caos. Diz-nos que é a oitava vez que lá vai, sempre impressionado com o que vê e considera que as pessoas nem se aperceberam de que tinha havido um terramoto!!! Diz que ali «não há trabalho, não há salários, não há impostos nem dinheiro. Mas há muita, muita fome». Continua dizendo que « Metade das organizações não governamentais não está aqui a fazer nada. Estão aqui para que as vejam, para que sejam vistas»
A entrevista continua com considerações pessoais mas estas frases ou são completa mentira e horríveis calúnias, ou dão-nos que pensar...

16 comentários:

Miguel disse...

Cara Emiéle,

Focas um assunto que me é caro. Sendo um universalista e "internacionalista", assim formado no lar doce lar e mais tarde pelos detentores da razão, cedo perdi qualquer réstia de crença nesse fenómeno global que dá pelo nome de ONGs. Moçambique foi o local onde mais chocado fiquei com o que vi, em termos de ONGs. E mais fiquei com as revelações de uma grande amiga belga que dirigia uma ONG.

Há de tudo. Mas a grande maioria tem uma agenda divergente do que deveria ser mitigar o sofrimento alheio, apoiar o desenvolvimento dos locais onde estão.

Claro que a culpa não é só das ONGs. Sempre me referiram que a USAid era um braço da CIA. Desconheço se assim é de facto. E que, através daquela organização mãe, financiavam-se centenas (milhares?) de ONGs por esse mundo fora. Uma coisa é certa, vi muitos tipos no meio do mato, americanos, que nunca percebi muito bem a que ONG pertenciam e o que é que andavam lá a fazer, exactamente.

Ainda em Moçambique, vi funcionários de ONGs cujo passatempo era andarem pedrados, bêbedos, em festas, na praia. Fora o resto. Havia gente séria mas igualmente impotente. Porque o "sistema" era pesado e disfuncional.

Depois as guerras entre o Estado e as ONGs. Os representantes do Estado procuram benesses junto das ONGs, venham elas em forma de USD ou bens materiais. E, com isso, podem apoiar ou não o trabalho dessas ONGs, no terreno. E depois, a sensação que sempre tive, quando olhávamos para muitos projectos, era que o objectivo era ter um projecto durante 1 ou 2 anos. Fazia-se o relatório final, o balanço e uma cerimónia de encerramento. Toda a gente batia palmas, iam todos muito felizes por terem atingido os objectivos e dividia-se o que restava do projecto: carros, computadores, ares condicionados, ventoínhas, agrafadores, secretárias, furadores, canetas, telemóveis, pneus, baterias, etc...

Isto já para não falar das ONGs cuja missão essencial é a evangelização do mundo. Ou de outras que são verdadeiros centros de exploração de jovens à procura de um rumo.

Etc, etc, etc.

Resumindo, no terceiro mundo, assim dito, sempre achei mais importante promover a iniciativa privada e criar condições para a sua robustez de modo a fortalecer economicamente as regiões onde desenvolviam a sua acção do que viver à pala das ONGs.

Ah! Claro que também acredito que isto das ONGs é um negócio de milhares de milhões. Etc e tal...

Whatever.

Tirando uma ou outra, não gosto da maioria.

Como uma que é bem conhecida pela espectacularidade das suas acções, afinal vende serviços sobre a forma de aconselhamento...

Bah!

Zorro disse...

Depois do que disse o Miguel, sinto que me tirou as palavras da boca. Vinha dizer exactamente o mesmo. Quase pelas mesmas palavras.
Conheço pessoalmente um caso ou dois, e mesmo aí mantenho reservas porque me parece que se querem mais autopromover do que o resto e depois tenho tido informações indirectas que vão rigorosamente no mesmo sentido do que diz o Miguel.
Sendo uma ideia generosa, não se concretiza como devia.

Joaninha disse...

Meu Deus, fico mesmo baralhada!!!
Eu tinha alguma desconfiança de que sob o chapéu ONG se misturava muita coisa. A verdade é que elas só vivem pelas contribuições que o povo anónimo lhes dá (e um pouco o Estado também) mas tinha para mim que quem ali trabalhava era mesmo 'próbono' voluntariamente e à sua custa.
Em conversas mais recentes vim a perceber que não era exactamente assim. Havia muita coisa que era usada pelos próprios, talvez porque precisassem, mas .... pareceu-me mal!

Depois o Miguel chama a atenção para uma coisa importante, a velha parábola de «ensinar a pescar em vez de oferecer o peixe». Isso para mim devia ser o papel fundamental da maioria das ONGs nos países subdesenvolvidos: ensinar as pessoas como fazer para evitar o sofrimento por que passam. E quero acreditar que muitas o fazem. Mas muitas fazem como escreveu o Miguel «o objectivo era ter um projecto durante 1 ou 2 anos. Fazia-se o relatório final, o balanço e uma cerimónia de encerramento».
Ai, ai, ai...

sem-nick disse...

Dá ideia de que nesta tragédia do Haiti tudo ficou sublinhado a tinta grossa. Sempre foi muito mau. As pessoas assobiavam para o lado. Tiveram governantes do piorio. Não era apenas o der desonestos e gananciosos é que pelos vistos nem sabiam governar.
Parece que tem de ser um país que devia começar de novo.

silvya disse...

Pois, é mesmo para se ficar baralhada/o. Mas a culpa será mesmo das Ong's ou das grandes empresas que ficam na retaguarda?
Acho que é caso para pensar. Aliás o Miguel explica muito bem, de forma clara o que se passa, quanto ao "jornalista" desconhecido por cá, provavelmente nem nuncapôs os pés no Haiti, mas fala porque "parece" bem.
E será que essa criatura, fez , faz ou tenciona fazer algo por esse povo tão martirizado?
Dizem,que não há trabalho, não dinheiro, só fome!
O que ele quereria que houvesse? Alegria e boa disposição a rodos?
Bem, isto é tão triste, que nem vale a pena dizer mais nada. Eu não sei dizer mais nada...
silvyaprata

fj disse...

Intervenção esmagadora do Miguel, estando em posição igual a Joaninha.Só tive em tempos um contato com uma ONG relativamente poderosa,estava em plena inocência que só não resultou por acaso. Mas então como Miguel "que fazer"?

fj disse...

Ah e referência para o "boneco" escolhido, dificil ser melhor.

kika disse...

Isto está muito pesado , mas tambem não admira depois da goleada de ontem!!!
Eu contribui para a AMI e outras ONG haverá, sérias como eu considero esta!
Aprecio aquelas que criam escolas, empregos e ajudam a salvar vidas!
Se reinar a indiferença será muito pior, não tenhamos duvidas!
O ser Humano é muito imperfeito e com estas acções, algo lá deve ficar.
Pequenas sementes que sejam
germinarão em algummas crianças e jovens que aos poucos vão ajudando a libertarem-se de ditadores e corruptos!!
Esse jornalista, não me parece ter qualquer credibilidade, que fique lá e ajude, seria uma boa acção em vez de destruir o que algumas essoas de boa fé constroem!
Quanto ao mau funcionamento acho natural.Deve ser tão dificil e acredito que haverá elementos do pior , mas não nos debatemos com eles todos os dias no nosso rectangulo, eleitos por pessoas cheias de boa fé, que agora é que temos a pessoa certa e depois vem a desilusão???
Ficar indiferente é que me parece mal !!

kika disse...

Emiele, não leves a mal a goleada, saiu-me por brincadeira, pois eu até nem gosto de futebol!!

josé palmeiro disse...

Depois do que o Miguel relatou, torna-se difícil dizer, seja o que for.
Acentuo que ele não diz que todas são iguais, mas essas, as verdadeiras, as que praticam solidariedade, ajuda desinteressada e conforto, essas, são as excepções.
Diria só que é, nos tempos de hoje o equivalente à "caridadezinha", do "estado novo".
Já agora, deixo-vos um poema de, Mendes de Carvalho: "OS POBREZINHOS"

Os Pobrezinhos
Tão engraçados
Pedem esmolinha
Com mil cuidados

Todos sujinhos
E tão magrinhos
A linda graça
Dos pobrezinhos
 
De porta em porta
Sempre rotinhos
Tão delicados
Os pobrezinhos
 
Não façam mal
Aos pobrezinhos
Dêem-lhes pão
E tostõezinhos                 
    
Os pobrezinhos
tão engraçados
pedem esmolinha
com mil cuidados.

silvya disse...

Olá. ainda volto rapidamente.
É que o Zé P. falou num poema, que há muito tempo não se ouvia,e por acaso, eu acho que ele estava no meu livro da 3ª classe, ou coisa assim.
Era o tempo do estado novo, e em que seglorificava o ser "pobrezinho" e "desgraçadinho".
Como a Kika, frizou, também acredito que há quem faça a diferença.
É preciso acreditar.
Que há homens e mulheres de verdade, que há dias de sol, e que quem sabe, um dia, onde a terra se abateu e o mundo ficou virado do avesso, as flores voltarão a nascer, e a crecer viçosas para um futuro povoado por crianças, que serão, quem sabe, os novos governantes desse país , e que construam enfim um país novo e livre, de amarras e miséria.
silvyaprata

fj disse...

Kika que confusão, mistura-se o Haiti e as ONGs com um resultado de futebol, de forma muito opotunista para quem não sabe nada (sic),na verdade um resultado apenas muito .ligeiramente desnivelado! Quanto ás ONGs parece que no essencial estamos de acordo, iluminados pelo pensamento do Miguel. Continuo a achar que o "boneco" merece referência,reincido

kika disse...

Oh fj qual oportunista, sou tão inocentinha...nem percebo nada.. reitero!! Foi só uma de bom humor!!!

Maria disse...

Sim, "Caos", Emiele é a palavra certa para a situação que se vive no Haiti http://veja.abril.com.br/blog/terremoto-haiti/
e perante isso não me custa a acreditar, por melhores que sejam as intenções, que a desorientação é geral...E muitas serão as ONGS não preparadas para lidar com tal situação e outras haverá como o reporter Rui Ferreira diz - "Metade não está a fazer nada..." e ainda " Estão aqui para que as vejam, para que sejam vistas"...
Tal como tu também volta e meia leio e ouço falar de situações que nos fazem desacreditar em algumas "boas vontades" mas, Emiéle é como tudo, infelizmente, a corrupção - é um vírus - anda em todo o lado e nós por cá temos visto...Contudo, continuo e preciso de acreditar que haverá gente e organizações sérias e que estejam a funcionar como esta que acompanho através do seu blogue
e conforme( para o caso Haiti) este testemunho:
http://ami.blogs.sapo.pt/2010/02/
No entanto não deixo de pensar
(aqui não sei se poderei chamar assim) nessas denúncias - com tristeza e desalento...

Maria disse...

Ah, a "imagem"...Como sempre, muito bem escolhida - textura e luz - na densidade certa para o "tema"....
Reparei que Rui Ferreira é filho do "grande" actor Rogério Paulo, já falecido. Quanto eu gostava de o ver representar...

Emiele disse...

Olá gentes!!!
Hoje com tantos comentários estou a ver que não consigo responder.
Estou plenamente de acordo com o Miguel, mesmo sem ter tido a experiência moçambicana dele. A outro nível, não ONG e sim IPSS que veste um formato parecido, tenho conhecimento de casos impressionantes. Um «negócio» passa a IPSS e não só tem imensos benefícios do Estado como começa a ganhar dinheiro que era suporto não o fazer (era 'solidariedade'...)
Obrigada fj por teres apreciado o boneco. Como quase sempre tiro da net mas a busca do que se ajuste melhor dá ainda algum trabalho. :)
Silvya, olha que eu creio que a canção infantil era «Os passarinhos/ tão engraçados/ fazem o ninho/ com mil cuidados; São p´ra os filhinhos/ que estão para ter /que os passarinhos /os vão fazer.» Esta que o Palmeiro descobriu era já a gozar...

Kika, a gente percebeu... :) Mas para os sportinguistas ontem foi uma noite negra. Mesmo com 2 golos. Eheheeh!!
Maria, obrigada pelos links. E por teres voltado.