quinta-feira, outubro 22, 2009

Tudo bem

É um facto que actualmente todos nós quase todos falamos um português polvilhado de expressões que podemos considerar brasileiras. Não tenho nada contra isso. Considero que uma língua se pode enriquecer se integrar palavras ou expressões a que não se estava habituado mas que são mais exactas ou expressivas ou coloridas ou simplesmente sendo sinónimas são diferentes das mais antigas. E, desde o tempo da «revolução da Gabriela», de uma forma ou de outra fomos adoptando em muita coisa o modo de dizer do português além atlântico mesmo que mantenhamos as vogais fechadas à nossa maneira. Até em coisas pequenas, como ter passado a usar o sempre termo fila para aquilo que dantes em linguagem corrente se chamava inocentemente bicha.
Mas há um cumprimento – e não só – que me faz alguma confusão.
Eu até sou razoavelmente optimista. Numa história com dois fins possíveis, espontaneamente espero pelo fim melhor, e até me impressionam os meus amigos que, por feitio, prevêem sempre o pior. Não eu.
Mas, sinceramente, parece-me de um louco optimismo esperar que esteja «tudo bem» sempre. Dantes existiam formas de cumprimento do tipo «como estás?» que deixavam a resposta em aberto. Havia ainda o «passou bem?» que já sugeria que se desejava que a pessoa estivesse bem, mas… Agora a pergunta do desvairado optimismo do «tudo bem?» que a maioria das vezes recebe como resposta o alegre eco «tudo bem!» deixa-me sempre perplexa.
Ainda ontem, estava a seguir na tv uma história onde uma rapariga apanhava com uma facada na barriga e caia no chão a esvair-se em sangue. Alguém lhe acudiu enquanto outro alguém chamava uma ambulância (que na tv chegam sempre miraculosamente minutos depois) e a pergunta do socorrista foi traduzida por «tudo bem?»; a desgraçada, que meia hora depois morria no hospital, respondia-lhe num sopro que mal se ouvia: «tudo bem».
Como é que seria se afinal estivesse mal?...
(já nem insinuo que pudesse estar 'tudo mal')

23 comentários:

Miguel disse...

Está na mesma linha do "Minha Nossa Senhora!" e por aí fora. Já são expressões reflexas, inconscientes, quer na pergunta quer na resposta.

E, por falar no diabo, acabaram de me perguntar isso mesmo ao telefone aqui no escritório "tudo bem?". Já dou um "Ya!", whatever.

Este teu post fez-me recordar um camarada de curso da Guiné-Bissau. O Nelson. A essa pergunta respondia sempre com um "mais ou menos!". Ao fim de algumas dezenas de mais ou menos lá se fez pergunta ao que respondeu que nem sempre tudo estava bem, nem sempre tudo estava mal.

Emiele disse...

Aliás há também uma «resposta feita» ao cumprimento do «Como vais?» que é o «vai-se andando...» que também sugestivo do tal 'mais ou menos' ou nem sempre bem nem sempre mal.
o que acho graça é o absolutismo do TUDO bem! Na imagem da tv de que falei, talvez a pergunta feita em inglês fosse «OK?» o que já era um tanto parvoíce dado o estado da rapariga que não era OK, mas perguntar-lhe se estava TUDO bem... :)

Didas disse...

Ah! Mas nos filmes, quando a malta está toda partidinha ou a esvair-se em sangue, há sempre um camelo que aparece a perguntar "Are you allright?" Então não?

Emiele disse...

Ooooooooh!
A Didas de madrugada?!!!
Estás doente, ou tudo bem?...
É que quem está a ver se esta com a gripá ou não sou eu! (por enquanto tenho umas dorzinhas de garganta, mas já tomei uma aspirina, para quem queira saber)

Didas, de facto nos filmes é assim. E como ali disse fico de boca aberta com a rapidez com que chega o 112 lá da terra.

Emiele disse...

Tchi, passei por aqui a reler a minha resposta à Didas e
1º Quando disse estás doente ou tudo bem, devia ter escrito o «tudo bem» ente aspas, claro!!!
2º a frase seguinte tinha falta de vírgulas e acentos; era assim «Quem está a ver se está com a gripá ou não, sou eu!» Assim é que era!

A Senhora disse...

:))))
É engraçado o que fala! Porque nos meus primeiros encontros com uma pessoa eu pergunto o "como vai?" e já no segundo eu fico no "oi" (que quando eu era criança era repreendida: oi é breque de boi!). O "tudo bem" eu espero ouvir outro "tudo bem", mesmo. :)) Mesmo que não esteja, mesmo que depois ela derrame toda a desgraça.
Agora a moda é o "fala, cara!" e o "obrigado/a" é substituido pelo "valeu!" - eu detesto as duas expressões.
E a velocidade com que se muda isso é impressionante!
Entre os meus meninos, por mais que eu tente corrigir, já é "fala, véio!". Tomara que seja só uma modinha.

beijos

gv disse...

o "está bem disposta?" é que me deixa logo mal disposta... este não sei de onde virá mas tenho a intuição de que é de origem indígena.

Joaninha disse...

Tal e qual, GV!!! « - Então? Bem disposta?!» mesmo que o esteja dá-me logo vontade de contar mil e uma desgraças a comprovar que não posso estar!

E quem responde «Sempre!!!!» ?!?! Essa deixa-me de boca aberta. SEMPRE, bem-disposto?!

sem-nick disse...

Que engraçado, afinal a moda que nos vem do Brasil já está ultrapassada por aquilo que nos conta a Senhora.
Estamos sempre a aprender...
O «OI!» por cá também há quem diga. Enfim...
Mas «fala, cara!» é que é mesmo de além-atlântico! Já não digo nada mas não creio que entre na nossa linguagem comum.
:)
De resto, «tudo bem, né?»!!! :) E Ya, como responde o Miguel!

Mary disse...

:)
Confesso que entro na onda e nem ligo ao que digo ou ao que respondo...
Mas, é mesmo verdade, em dias onde até parece que vai «tudo mal» o cumprimento não me cai bem! Faço um sorriso amarelo e respondo «Hummm!» encolhendo os ombros.
Mas, afinal, quem é que liga ao cumprimentos? Quando se diz «Bom Dia» estamos mesmo a fazer sinceros votos para que pessoa tenha um Bom Dia? Aquilo é automático! E hoje em dia ninguém tem pachorra para ouvir a resposta sincera... mesmo que a déssemos!

King disse...

Cá por mim é mais a entoação.
Ao dizer o «tudo bem?» num tom mais ou menos neutro, como se dizia o Bom Dia, a coisa passa.
Mas as criaturas exuberantes que nos atiram com o tal TUDO BEM?! com um grande sorriso como se a vida fosse uma grande paródia e só por birra ou mau feitio pensássemos o contrário, isso já me irrita um tanto.

King disse...

Joaninha, essa da resposta SEMPRE! à questão do «bem disposto?» ouve-se muito quando ligam para aquelas rádios onde o locutor que fala parece sempre morto de riso.
Também acho a resposta mais tonta do mundo.
Sempre bem disposto?????
Haja Deus!

Maria disse...

- Sim ,"tudo jóia" - não, pelo contrário, "tudo vai mal" - é demais, mais certo será, pelo que me toca, - "nem tudo vai mal":))
Lembrei agora desta canção, sim, porque já antes da "revolução Gabriela" -esta mais popular, talvez, chegava-nos a música brasileira "MBP" que eu acompanhei, muitos de nós, "religiosamente" - lembram-se desta que deu tìtulo ao disco de Chico e que também Elis Regina cantava, como sempre, magníficamente?

"SINAL FECHADO"
(Paulinho da Viola)
Raimundo Fagner - 1976

Olá, como vai?
Eu vou indo, e você, tudo bem?
Tudo bem, eu vou indo correndo
Pegar meu lugar no futuro. E você?
Tudo bem, eu vou indo em busca
De um sono tranqüilo, quem sabe?
Quanto tempo...pois é, quanto tempo...
Me perdoe a pressa
É a alma dos nossos negócios...
Oh! não tem de quê
Eu também só ando a cem
Quando é que você telefona?
Precisamos nos ver por aí
Pra semana, prometo, talvez nos vejamos
Quem sabe?
Quanto tempo...pois é, quanto tempo...
Tanta coisa que eu tinha a dizer
Mas eu sumi na poeira das ruas
Eu também tenho algo a dizer
Mas me foge a lembrança
Por favor, telefone, eu preciso beber
Alguma coisa, rapidamente
Pra semana...
O sinal...eu procuro você...
Vai abrir...
Prometo, não esqueço
Por favor, não esqueça
Adeus,
Não esqueço, adeus.

E, assim, aproveito, para dizer que vou estar uns dias ausente, "fiquem bem":))

kika disse...

Olá! Como está?
Para mim é a expressão mais espontânea que tenho!
Não gosto das expressões brasileiras ( e estas que me perdoem).
Por cá por influência da imigração e de tanta novela, é uma misturada de sons, que não gosto mesmo e por vezes quase me apetecia não responder... mas até os médicos já falam assim quando nos veem entrar pelo consultório .
Já me aconteceu e respondi á letra como merecia!

Maria disse...

Lá está -"lembrei agora" eheh - lembrei-me agora - nem de propósito:))

Mary disse...

Eheheh!!
«Fiquem bem!» também é actual...
Já me esquecia.
:)

kika disse...

Essa do "fique bem" ouço diáriamente , é muito actual, mas não uso:) embora me seja mais agradável...mas, fiquem bem!!

Miguel disse...

Yo!

fj disse...

Por mim um quase deprimido, a pergunta soa mesmo a insulto.

A Senhora disse...

Uai...
Mas nem o "está bem disposta?" e nem "fiquem bem" é brasileira. Eu acho... Aliás, esta última expressão eu só vejo em blogs portugueses, ou blogs tipo "auto-ajuda".
Aqui era mais usado o "vá com Deus" em despedidas.

Miguel me fez lembrar que a expressão "Minha Nossa Senhora!" em Minas Gerais ficou tão abreviada, que lá se fala simplesmente "Nu" ou "Nó", dependendo da região. Até eu entender do que se tratava... :)))

Emiele disse...

Venho aqui no intervalo do jogo de futebol (não é novidade que cá em casa se continua a seguir o Sporting, apesar de este ano não andar a dar lá grandes alegrias...) para me despedir -«fiquem bem»?? - e confirmar que apesar de ser popular nem todos usam alegremente o «tudo bem?».
Acho graça ao fj, de facto quem tem tendências depressivas até parece que estão afazer pouco, não é?
Miguel - Iô, também dá!
Senhora, também me parece que o tal «fiquem bem» não será brasileiro. Chega de outras bandas, mas dantes dizia-se ou adeus ou até à vista...

Miguel disse...

ó Senhora, essa do "Nu" ou "Nó" é demais!

Iô Emiéle? :)

méri disse...

Continuação...!