quarta-feira, maio 20, 2009

Milhões e mais milhões

Para roubar que seja em grande!
A notícia que abriu o noticiário de domingo, é de se lhe tirar o chapéu:
Uma mulher tentou transferir dos EUA para Portugal 50 mil milhões de dólares . Cinquenta mil milhões de dólares!!!
Essa operação foi tentada em Lisboa, e se calhar foi isso que a perdeu. Talvez num Banco dos EUA a coisa causasse menos surpresa, que os valores com que lá se lida podem ser maiores do que os nossos do dia-a-dia. Mas, em Portugal, onde essa quantia representaria um quinto do PIB Português, é natural que o bancário a quem o papel da transferência foi apresentado, ficasse de boca aberta.
Azar da pobre vigarista.
Mas lá que impressiona, não há dúvidas.
Eu tenho de ser franca, um valor desses é inconcebível para mim. Imagino muito bem os milhares, mas quando se fala em milhões a minha imaginação não chega lá...
E li também que no Euromilhões da semana passada, um único apostador arrecadou o prémio de 15 milhões de euros o que, apesar de ser uma quantia impressionante, caberia várias vezes no bolso dessa senhora - que estava a tentar sacar 36 milhões numa primeira ‘tranche’ pelo que diz a notícia.
Como disse, quantias dessa dimensão são completamente inconcebíveis para mim.
Mas veio-me à memória uma história que li era ainda miúda, muito moralista, na linha de «os ricos têm imensos problemas, coitados, afinal é bem melhor não ter dinheiro» coisa que mesmo nessa altura não me convenceu muito. Tratava-se de um sujeito que era muito rico e como tivesse encontrado um pobre que o invejava, fez um acordo com ele: durante creio que um ano, o tal pobre teria de gastar mensalmente (ou talvez semanalmente, já não sei) uma grande quantia. Se o conseguisse fazer, no fim do prazo ganhava a aposta e nesse caso ficaria rico. Mas, como a história pregava essa moral do pobre-mas-alegre, claro que ao fim de algum tempo ele já não sabia o que fazer ao dinheiro, e perdeu a aposta.
Ora é claro que o dinheiro ajuda muito. Eu sei que só ele «não traz a felicidade» como se costuma dizer, mas ajuda. Pelo menos diminui a tensão diária de insegurança pelo futuro. O dinheiro não nos dá a saúde mas garante que em caso de doença se recebam os melhores cuidados possíveis. Tranquiliza-nos quanto à questão da falta de trabalho para nós e nossos filhos. Sossega-nos quanto à nossa velhice. Em suma, dá jeito…
Contudo quando se fala em tantos milhões (cinquenta mil milhões!) eu fico baralhada.
O que é demais é demais.


16 comentários:

Mary disse...

Quando chega aos milhões também me perco...
Cinquenta mil, cem mil, duzentos mil, imagino bem.
Quinhentos mil já é uma pipa de massa... Um milhão?! O dobro dos 500 mil? Hummm....

josé palmeiro disse...

É bem verdade que. "o dinheiro", não traz a felicidade a ninguém, mas lá que ajuda, ajuda muito! Talvez pela época, mas agora dáva-me um jeitinho muito especial, ter algum suplementar!!!
Quanto a essas quantias, absolutamente pornográficas, não tenho a menor ideia do que sejam, por isso advogo que era bom serem repartidas emtranches que fazendo, alguém feliz, fizessem o maior número possível de pessoas.

King disse...

Pois é. Essa conversa do 'pobrete-mas-alegrete' foi inventada por quem não era «pobrete» de certeza!!!
Entre o ser-se obscenamente rico, e o ter a sua estabilidade económica assegurada vai um passo de gigante.
Há quem ganhe por mês a quantia que eu preencho no IRS no final do ano. Mesmo assim, tenho a certeza de que conseguia gasta-la sem dificuldade, vivia 10 vezes melhor, é claro. E como dizes teria um excelente seguro de saúde, sabia que os meus filhos não iam morrer de fome no futuro e que eu não acabaria num 'lar' manhoso... Mas para tal não são preciso MILHÕES.

Essa senhora iria montar um Banco?...

kika disse...

Essa senhora devia ver muitas séries.Concordo com tudo o que dizes.
O king quando diz que há quem ganhe num mês o que ele ganha num ano, não pensou no CR7, e noutros que andam por aí, penso eu!! Pois se sim que seja solidário comigo e ali com o Zé...pelo menos.

King disse...

A história é tão extraordinária que as dúvidas são mais do que muitas...
É que ficamos sem saber, se a senhora da transferência (que talvez fosse 'a cara' de um grupo bem mais vasto) estava a transferir dinheiro verdadeiro, sabe-se lá se da lavagem de dinheiro de droga ou venda de armas ou coisa assim, se tudo isso era mentira e no tal Banco dos EUA não existia esse dinheiro e era tudo «virtual». Por mim, fiquei cheio de interrogações!

Kika, queres saber que nem me lembrei do famoso CR7??!! Mas a verdade é que por aquilo que a impressa diz, ele gasta quase á velocidade que o ganha, pelo que quando se reformar talvez não esteja já tão rico assim.

King disse...

É curioso que quando recordamos o Figo, também excelente futebolista e que ganhou e ganha muito bem, não temos nada a mesma imagem. Até quando era da idade do CR, não parecia o garoto que este parece. Porque ele tem 24 anos! Já não é exactamente um adolescente...

Castanha Pilada disse...

Eu só fiquei com uma dúvida: Ela ia levar aquilo na carteira ou levava uma saca plástica do Pingo Doce?
Ia directa para casa ou ainda dava uma voltinha a ver as montras?

sem-nick disse...

O Tio Patinhas a nadar no dinheiro é uma boa imagem, mas sempre achei que aquilo devia ser bem desconfortável... As moedas são duras, não é?....
Chamaste a atenção com a tua história antiga para um facto importante - a visão que tem a respeito do dinheiro, quem o tem e quem o não tem.
É bem diferente!!!!!

Joaninha disse...

(tinha escrito um comentário ainda inacabado, mas tive de abrir outra janela e a cisa foi-se...)Olhem fico a pensar se essa senhora, que devia ser a 'cara' da operação, possivelmente os 'cérebros' estavam ocultos, estava realmente a fazer uma transferência verdadeira com um dinheiro esquisito (lavagem de dinheiro de droga ou venda de armas ou qualquer coisa dessas...) ou se aquilo era tudo bluff e vigarice e nem existia tal quantia no dito banco dos EUA!

Mas quanto aos ricos, já se sabe pelo modelo do Tio Patinhas que afinal são mais poupadinhos do que às vezes se imagina. Lembrei-me quando li isto de uma história que me contou uma colega a semana passada: Ela exerce uma profissão liberal juntamente com outros colegas. Uma das colegas tem muitos clientes e ganha muito bem. No início do ano é costume comprarem-se Agendas para as marcações, mas muitas vezes os fornecedores oferecem. A minha amiga não esperou e comprou uma para ela como costuma fazer, mas a semana passada para confirmar uma coisa procurou a Agenda da Dra. X e não a encontrou. Explicou-lhe depois a recepcionista que essa colega não tinha comprado agenda - partilhava-a com outro colega que ia lá em dias alternados... Assim a do colega também dava para ela!!!!!!!!
E isto, quando afinal essa despesa até podia entrar no IRS!
mas no poupar é que está o ganho!

estrela-do-mar disse...

Lá que é muito milhão isso é.
Faz-me algumas tonturas...

sem-nick disse...

A história da Joaninha é mesmo na mouche! Conheço outras criaturas assim - a ganhar imenso e a poupar nas coisas mais mesquinhas!

Emiele disse...

E a gente fica a pensar se será assim que chegaram a ricos... Mas olha que não. Talvez assim se «conservem» ricos, mas não chegaram lá de tostão a tostão! Nem de 'agenda' em 'agenda'
(a história é de rir, de facto)

Maria disse...

Eu confesso, não teria dificuldade nenhuma em lidar com alguns milhões, por exemplo "quinze",a minha famíla é constituida por 6 pessoas, mais os meus irmãos que são outros tantos, os do meu marido, são menos,os sobrinhos e alguns desprotegidos, não sobraria muito eheheh!!!
A nossa cultura judaico-cristã está pejada de conceitos moralistas em relação ao pobre/rico; sempre me fez uma grande confusão, quando andava na catequese,quando o padre dizia
"É mais fácil entrar um camelo pelo fundo de uma agulha que um rico no reino de Deus"( e eu não era rica, nem lá perto) ou (noutro sentido de pobreza) "Felizes os pobres de espírito que deles será o reino do céu" são sei se era bem assim , mas o espírito da coisa está lá....

Emiele disse...

Mas Maria, Mesmo dando um milhão a cada membro da tua família, terias de ter cinquenta mil membros de família, estás a ver?.... Era muita gente!
Por outro lado, já imaginaste o que é um milhão de euros? Dizes que era fácil dar um a cada membro e amigo, mas para além dos 50.000, a mim custa-me imaginar uma quantia dessas. Como disse a Mary, a gente imagina bem 50 mil, o preço de uma casa. 500 mil, ainda entendo com mais dificuldade, mas um milhão?...
De resto de facto temos esse preconceito de que «é feio» ser-se rico, o tal camelo no fundo da agulha. Contudo sempre achei que isso era para compensar os pobres, um prémio de consolação - sofrem muito mas vão ser felizes no céu.
lol!!

Maria disse...

Eu referia-me a "15" milhões os tais do euro milhões...
Sou má a matemática não me meteria a calcular mais do que isso -"15 milhões" mesmo assim é muito não é? Estou baralhada!!!!!

Emiele disse...

Mariazinha, a matemática também não é o meu forte (sniff....) por isso escrevi aquilo. E devo ter-te interpretado mal.
O tal euromilhões já é bem mais «acessível» á minha imaginação!

Já agora, na tal história que li na adolescência, o «pobre» a viver a vida de «rico» não podia dar o dinheiro. Assim tinha sido considerado batota. Ele tinha de o gastar :)