sábado, março 14, 2009

Voo comercial

Truques «engraçados»:
Foi bastante falado o uso de aviões «Falcon» por alguns senhores ministros quando vão em viagens. Pelo que se percebeu (eu não tinha chegado aí) quando se usa um avião desses depois tem de se pagar essa despesa e alguns dos utentes fazem-se esquecidos e mandam a factura passear daqui para ali, a ver se entretanto a coisa esquece.
(Disse que ‘eu não tinha chegado aí’ porque sempre me fez alguma impressão esta coisa de o Estado-pagar-ao-Estado, parece-me que é o dinheiro a jogar aos 5 cantinhos, mas eu não entendo nada de Finanças e pronto!)
Portanto, para evitar esses luxos dos tais Falcon, o nosso Primeiro Ministro foi a Cabo Verde num normal voo comercial da TAP.
Muito bem.
Bom exemplo.

Só que a TAP, obsequiosa, criou um voo comercial extra, e impediu o acesso de passageiros que não constassem da comitiva oficial

Já está!
De facto era um 'voo comercial, iam tratar de negócios, não é?




12 comentários:

AB disse...

Devia era ter sido em dia de greve de manutenção.AB

zorro disse...

Ehehehe!...
Pagou-se um preço de voo comercial, devem querer dizer!
Repara que não acho mal que façam um voo especial para um primeiro Ministro e comitiva numa deslocação oficial. Porque não? Até como precaução para desatinados que queiram desviar o avião por exemplo.
Mas porque não assumi-lo?

zorro disse...

Parti do princípio que estivesses lá para os saloios, e estes posts estivessem já em rascunho, mas pelos vistos consegues ainda 'dar uma olhadela' aos jornais e escrever aqui em directo!
É que isto veio no expresso de hoje...
Ena, ena!

josé palmeiro disse...

Ouvi a notícia, com a mesma perplexidade que tu.
Para quê, tanta comédia?
Estas atitudes, tomadas, vá se lá saber por quem e porquê. só mostram o ridículo em que estes "senhores", nos colocam, enquanto POVO!

josé palmeiro disse...

Eu ouvi a notícia, ontem à noite na TV.

kika disse...

Com esta brincadeira ainda veio contribuir mais para os 200 milhões de prejuizo da TAP...Tenho de concordar com a AB..

Anónimo disse...

Esclarecendo o que os jornais não sabem ou não querem saber:
A TAP só tem voos regulares para a Praia à QUI/SEX/SAB e DOM. Pretendendo o PM viajar com a sua comitiva à QUA só o poderia fazer em voo especial. Quando no mercado aparecem grupos de 130 pessoas a TAP tendo avião disponível só se fosse louca, é que não aproveitava. Fez por isso um voo especial, o que acontece com frequência. A questão não está no voo especial, está no tipo de equipamento que operou o voo - um A321, quando poderia acomodar os 130 passageiros num A319, e já não haveria lugares vazios. Então porquê um avião que leva 180 ? Porque o A319 só tem 4 contentores para carga e o A321 tem 10. O avião descolou com o peso máximo (avião+combustível+passageiros+bagagem). A única questão a colocar é: A comitiva pagou excesso de bagagem?

King disse...

Entendido, amigo «anínimo»
Mas permanece uma questão: para que foi preciso então tanta bagagem?! Numa época onde tudo se faz de uma forma virtual, e uma simples pen pode ter uma informação enorme, que raio é que a comitiva levou?...
Seriam roupas? Para um país quente não deveriam ser muito pesadas. Dossiers como se sabe podem ser todos metidos em pequenos 'portáteis', não dá para entender.

Anónimo disse...

Caro King,

E que tal lembranças? Magalhães por exemplo ?? Provisões para almoços/jantares ??

Emiele disse...

Ora vejam, o king não passou aqui de manhã quando é assim que costuma fazer, e deu a sua graça já era alta a noite... Fico pasma!

Anónimo, só te posso agradecer pela explicação. Estás obviamente muito mais por dentro do assunto do que eu (do que nós...) e ajudou a ver a coisa. Tem piada que eu iria dizer o mesmo que o King, mas afinal já respondeste. É evidente que umas centenas (milhares?) de «magalhães» devem pesar...
Tá certo!

Emiele disse...

Ah, e outra coisa, Zorro, olha que o apanhar a notícia e comentá-la aqui faz-se num minuto. O que me leva sempre mais tempo é a mania de a 'ilustrar' com um boneco. Desta vez correu bem.

Contudo tens razão, os posts do fim de semana são sempre pré-escritos. Mas de vez em quando há excepções.

King disse...

Ups! Ontem escrevi a correr e nem voltei cá para reler. Escrevi «anínimo» quando queria dizer «anónimo» é claro!!!! Sorry! (tens de inventar um nick! olha em brinquei com o meu nome, por exemplo)

Obrigada, pela segunda explicação. Deve ter sido mesmo isso!