quarta-feira, dezembro 03, 2008

Para os lados de Palmela...

E falando ainda de trabalho:
A verdade é que quando há vontade também há acordos. Nem sempre são o oiro sobre o azul para as duas partes, mas isso era a quadratura do círculo, se é melhor para os trabalhadores não será tão bom para os patrões e se é melhor para os patrões é porque não é o ideal para os trabalhadores. Mas com negociações e boa vontade muitas vezes conseguem-se acordos que afinal a longo termo beneficiam as duas partes.

Um exemplo:
A Comissão de Trabalhadores e a administração da Autoeuropa chegaram hoje a um pré-acordo de empresa, que prevê aumentos salariais de 5,8 por cento e garante que não haverá despedimentos colectivos nos próximos dois anos.
Parece-me que desta vez a palavra exemplo se pode aceitar nos dois sentidos - uma ‘amostra’ do que se pode fazer, e ‘um modelo’ de boa negociação.

10 comentários:

AB disse...

Pois.AB

AB disse...

Só disse aquilo em cima porque adoro dizer coisas.AB

Emiele disse...

Como a prima do Solnado.
Mas olha que guerras à parte, até é verdade.
Já a garantia de não haver despedimentos colectivos, dado a conjuntura, é um ponto importante. Assim como é interessante terem-se adaptado, deixado de produzir o que não estava a render e recomeçar com outro tipo de produção.

AB disse...

Mas lembra-me uma cisa antiquissima dos vendedores ambulantes de coisas para miudos que diziam"chora,menina chora que a mamã dá".AB

king disse...

Claro que aí há a tal luta PC etc e tal. Mas, mesmo com a graça da AB, o António Chora tem conseguido manter a coisa a flutuar. E aquela indústria é pesada, vai ao fundo sem grandes dificuldades.

Claro que ainda falta ver muita coisa, mas por enquanto continua à tona da água.

AB disse...

Sim,sim, quando eu falei do slogan do vendedor é que era cá duma eficácia!AB

josé palmeiro disse...

Vocês, já disseram tudo mas, eu vou repetir a ideia de que falando, negociando, trabalhando, as coisas vão-se harmonizando, sem grandes choques, que é o mais dramático da questão. Ver pessoas deitadas ao desemprego, assim, do pé para a mão, é desastroso. Depois é como diz a AB:
"Quem n'a chora, n'a mama!!!"
Neste caso a palavra CHORA, terá o sentido que lhe queiram dar.

Mary disse...

Então Zé, tá na cara que isso era o trocadilho da AB :)))

Eu não sei o que se passa, pode ser que haja para ali jogadas ocultas que a gente não conhece, mas o saldo é positivo, e isso é o que interessa mais.

josé palmeiro disse...

Mary, sei bem que de trocadilho, se trata. Quis, no entanto, reforçá-lo.

Emiele disse...

Claro que todos entendemos a gracinha da AB, contudo não sei se o sentido com que ela o disse foi o mesmo com que foi interpretado. Huuummm, nestas coisas ela é muito crítica.
Mas mantenho o que disse, já o existir acordo é positivo.