quarta-feira, dezembro 03, 2008

Produção em massa

Uma história verdadeira e muito ingénua.
A minha empregada, tem andado a reparar no preço que paga quando numa pastelaria ou num café mesmo baratucho, pede um ‘salgado’ para acompanhar o café que bebe. Seja croquete, pastel de bacalhau, rissol, quando vem a conta aquele pedacinho de comida que se engole em duas dentadas, é-lhe creditado por 80 ou 90 cêntimos. Caro. Sobretudo muito caro, ia ela pensando, para aquilo que o produto levava – ovos, batata, bacalhau, ou farinha, água e ovo com um pouco de carne ou peixe.
E lá imaginou que com algum trabalho e não muita despesa, fazia numa noite duas ou três dúzias que congelava e poderia vender às colegas de trabalho da empresa de limpezas onde também faz umas horas.
Chegou-me ontem muito escandalizada, porque não vendeu nada. Acharam caro. Ela pedia-me conselho: «pois se num café pedem 80 cêntimos por um, uma dúzia são quase 9 €, não é? Eu pedia-lhes metade, aí 4 e meio, como é que podem achar caro?»
Ela não tinha reparado, mas eu sim, que nas grandes superfícies também há desses produtos à venda e mais muito mais baratos. «Mais baratos?!» Sim, lá lhe respondi, se comprar num Supermercado, consegue meia dúzia ou mais aí por pouco mais de um euro e meio...
Ficou de cara à banda. «É impossível!» Assim era mais barato do que lhe flcava fazendo em casa...
Lá isso não sei. Mas que podem chegar ao consumidor por esse preço, é uma verdade. E lá lhe estive a tentar explicar estes mistérios da economia, que comprando e fazendo em enormes quantidades o custo fica também muito reduzido.
Tadinha.
Assim acabou aquela empresa em botão, esse sonho onde se via a enriquecer velozmente qual rainha do pastel de bacalhau.

Uma bola de sabão que rebentou....




21 comentários:

AB disse...

Ela estava,se calhar a pôr mesmo bacalhau nos pasteis coisa que nos super nem por isso.E assim se acaba uma "nova oportunidade"...Mas devias ter explicado que ela podia recorrer ao microcredito (para a arca congeladora mais espaço de armazenamento do bacalhau e congelamento da cebola e salsa deve dar)metia ao IEFP o projecto de uma firma no Femenino atribuindo o ordenado minimo a si própria e um custo pela parte das instalações utilizada mais água,luz,enfim básicos e não vendia
na mesma porque ir ao café pagar os tais 90 centimos do pastel é um break no trabalho.O preço reflete "psicologicamente"...UFFFF! Acho que com a lei da paridade me vou candidatar a Ministra da Economia.AB

Anónimo disse...

Eu sei que feminino é com i em vez de E e tb. não fechei o parentesis mas como é para o IEFP não tem mal.Eles assim ficam contentissimos porque tem uma coisa ou duas para emendar...AB

Emiele disse...

É isso, o preço reflecte psicologicamente... Os tipos das pastelarias vão dizer que têm de pagar mais isto e mais aquilo - e até têm... Mas só com a venda das banais bicas já não se ganha nada
mal...
Este caso é engraçado porque creio que ela nem tinha ido investigar quando custavam lá no Lidl ou Minipreço, a caixinha com a dúzia dos ditos pré-fritos. A conta que estava a fazer era àquilo vendido ao balcão. As colegas com outras contas, não aceitaram, é claro, mesmo que os dela fossem de bacalhau verdadeiro e os rissóis levassem camarão!
É que a vida está cara.

AB disse...

Mas os cafés não são propriamente cantinas...São para ganhar mesmo dinheiro.AB

Farpas disse...

De vez em quando apanhamos uns preços que pensamos mesmo serem mentira. Dou-te um exemplo, conheço uma Câmara Municipal que atribuiu a concessão das cantinas escolares a uma empresa que lhes fazia cada refeição a 1,20€... por muito que me esforce não consigo perceber o que é que eles metem na comida mesmo fazendo compras em grande quantidade, sendo que a refeição é constituída por sopa, prato, pão e sobremesa... e o maior problema é que é assim por todo o país não interessa o que se come, o importante é o preço que se paga pela refeição! Imaginem lá que refeição faziam por 1,20...

Emiele disse...

Claro que sim, por isso falei nas bicas.
O preço do pó de café, do açúcar, da água, do desgaste da máquina, da electricidade, mesmo assim tudo junto, 60 cêntimos por um café dá para ganhar dinheiro.
Assim como os ditos 'salgados' se forem feitos lá (ou comprados no Lidl) e vendidos a 80 ou 90 cêntimos, também...

AB disse...

Mas tu és capaz de comer os pré-congelados do LIDL?Aqueles que ficam uma massa informe assim que os metes na fritadeira e não sabem rigorosamente a nada senão a pó de batata?AB

king disse...

Uau!!
Chego à hora do costume e isto já parece um chat!!!
Também o tema tem a sua graça...

Olha Farpas, isso parece-me milagre! Se calhar era para fazer «lavagem de dinheiro». mas que se consegue fornecer uma refeição mais ou menos decente por muito menos do que se imagina, é verdade. s coisas compradas directamente ao produtor e em grandes quantidades fazem maravilhas. Não é a produçãozinha da empregada da Emiele que à noite se punha a fazer 3 dúzias de rissóis... Isso fazia sorrir.

Farpas disse...

No LIDL bom bom é a lasanha!!

Emiele disse...

Olha que não!
Deves ter fritado a coisa mal, AB. Ou comprado uma marca esquisita. Já uma vez experimentei uns que ficaram uma porcaria.
Mas estes de que falo (quase de certeza que são do Lidl, mas posso estar enganada) uso-os cá em casa e toda a gente gosta.

mary disse...

Aqui quando se fala em «massa» que massa é?
Massa = produto de culinária
Massa = dinheiro
Massa = (em massa) grande quantidade
????????????
Serve para tudo aqui a palavrinha e neste caso vem mesmo a calhar!

Mary disse...

Esse tipo de coisas que se compram 'ultracongeladas' varia muito de marca para marca.
Já me aconteceu, como disse a AB, meter aquilo a fritar e desmanchar-se tudo, ficar uma porcaria que não se aproveitou nadinha. Dessa vez fiquei furiosa porque foi só prejuízo. Outras vezes ficam muito bons. Iguaizinhos os que como fóra de casa. Mas outra vez experimentei uns, até mais caros e com um aspecto belíssimo, que foram outra vez uma desilusão - desmancharam-se todos.
Depende muito das marcas, acho eu.
Farpas, olha que os canelones também não é mau. E se estamos com pressa, para uma pessoa, a coisa resolve-se sem grandes custos.

Fabulosa disse...

bem, pelo mesmo é bom saber que há pelo menos uma pessoa a tentar dar a volta à crise... =)

shark disse...

A Fabulosa tem toda a razão!
Não existe outra volta a dar...

kika disse...

Trata-se dar a volta á crise, tenho uma amiga Psicológa que trabalha numa empresa publica e que me perguntou se eu sabia onde podia vender cachecóis e gorros, pois é capaz de fazer um conjunto numa tarde de domingo.Não lhe soube responder.. mas fiquei a pensar e preocupada

Saltapocinhas disse...

um comentário 2 em 1:
para a emiele:
a funcionaria da minha escola faz rissois para vender e vende-os a 2,5 a duzia. e são excelentes, pois ela faz mesmo com peixe, ou com camarão...
e ganha bastante dinheiro a fazer essas coisas!

para o farpas:
a minha funcionária (a que faz os rissois) trabalhou muitos anos na cantina de uma escola e garante que podia servir às crianças pelo preço que elas pagam (1,48) uma refeição muito melhor!
no outro dia pôs-se a fazer contas e chegou à conclusão de que cada refeição ficou por cerca de 50 centimos e isto num dia em que havia carne!
o problemas destas empresas é que t~em de ter carrinhas e funcionarios para distribuir a comida. se esta fosse feita na escola, com funcionarios da escola, com agua luz e gas da escola, sairiam por metade do preço!
e ela conta que fazia refeições boas e variadas e sobremesas, como leite creme ou arroz doce ou aletria (fazia estas quando sabia que a comida era menos do agrado das crianças, como algum peixe)
é pena que as cozinhas estejam entregues a empresas, em vez de o estarem às escolas.
vale tudo para poupar (???) dinheiro!!

josé palmeiro disse...

A esta hora, hora de almoço, fiquei sem espaço para dizer o que quer que fosse. Está tudo dito, pronto, assiná-lo a minha passagem sem, no entanto, deixar de dizer que os ultracongelados do LIDL, são bons, comprovadamente. Devo também dizer, que quando há tempo e paciência, para os fazer em casa, para além do aroma, têm bacalhau/carne/camarões, bem, aquilo que lhes dá o nome.

Emiele disse...

Respondo já à Saltapocinhas ( os outros comentadores ficam oara daqui a bocado!)
Olha, menina, estás cheia de razão, e para mim o mal da minha empregada foi não ter visto primeiro o custo deles avulso, e feito as contas por aquilo que era a venda nos cafés. Porque, eu penso que se ela fizesse um preço desses, afinal era mais ou menos o que se paga nessas grandes superfícies e as pessoas compravam-lhe por terem confiança nos produtos que usava. Mas naquele caso ela teve 'mais olhos que barriga' ou coisa assim.
De resto, também penso que as cantinas escolares teriam toda a vantagem em serem geridas de outra forma. Como dizes no teu exemplo, até se pode fazer uma alimentação decente por pouco dinheiro. Eu sei, porque na minha casa gasto numa refeição um décimo do que pago quando como fora... Foi uma pena terem acabado com esse sistema nas escolas. É que até era pedagógico para as crianças estarem perto da preparação da sua comida...

Emiele disse...

E agora já à noitinha, tenho pouco que acrescentar mas queria dizer «olá!» à Fabulosa (que creio ser uma estreia aqui) e ao Shark, que passa mais vezes mas fala pouco...

Claro que este tema tem que se lhe diga.E como alguém aqui disse isto já parecia um chat, connosco à conversa.
:)

Castanha Pilada disse...

Faltou-lhe ir a uma empresa de consultores.

Emiele disse...

Castanha, ela «consultou-me a mim» mas já desanimada...