quarta-feira, dezembro 03, 2008

A crise vista de outro ângulo

A história vem da Itália:

Dois dos maiores bancos italianos vão permitir que, em 2009, os seus clientes em dificuldades suspendam o pagamento dos seus empréstimos sem incorrer em sanções

Será que o exemplo pode ser seguido por cá?
Ou aqui só sabemos apoiar os próprios Bancos?
Seria interessante ver o que é que eles podem fazer por nós.

8 comentários:

AB disse...

Mas eles não tem medo da imagem do país na Europa.Da fama de mafiosos já não se livram.Nós parece que ainda não ascendemos a esse galardão por isso temos que nos esforçar por salvar os que quasi são.(3.000 depositantes?Mamma Mia!)AB

AB disse...

Também acho alguma graça aos gestores que numa atitude de "grande dignidade" se retiram ou demitem depois da "m..."feita.Nas empresas os sócios gerentes respondem com os bens pessoais pela Gestão das ditas...AB

Emiele disse...

Deve ser isso.
Assim como assim, há quem os veja como mafiosos (e até são)
Depois há outros que são, sem a fama...

king disse...

Mas o exemplo é simpático.
Sempre podem respirar um pouco.

kika disse...

Não me parece bem, pois esta crise tambem ai trazer beneficios em termos de mentalidade, andou por aí muito boa gente a viver acima das possibilidades, nao é que não tivessem direito a melhores gostos, mas.. quem paga?

josé palmeiro disse...

A AB, já respondeu e eu, subscrevo, sem vacilar.

Mary disse...

Entendo o que diz a Kika, e é certo que ela terá alguma razão quanto ao facto de se estar a viver numa pseudo sociedade de abundância sem abundância...
Nós hoje vivemos à base do cartão de crédito, e pensa-se pouco que aquilo é afinal «um empréstimo».
Mas a notícia não é que quem deve vai deixar de pagar as suas dívidas,é apenas que podem respirar um pouco antes de ... as pagar!
Se se deu esse crédito aos Bancos com quantias incomparáveis, porque não se pode dar uma tolerância a uns clientes mais rasteirinhos...?

Nesta caso, apoio o que disse a AB - «eles não têm medo da imagem do seu país na Europa» como cá se disse ao 'ajudar' os Bancos falidos.

Emiele disse...

Vinha cá 'fechar' a casa, mas a Mary já disse mais ou menos o que eu pensava dizer.
'Brigadinha, Mary!