sexta-feira, janeiro 08, 2010

O fim do Natal

Entre os que gostam da época e os que não gostam, e até os que a acham «assim-assim», a verdade é que, sobretudo no ocidente, não se fica indiferente à época «Natal» (até como referi, para embirrar com ele...)
Muita «magia», os pais-natais que aqui há uns anos existiam só na fantasia infantil, hoje aparecem a tirar fotos nos Centros Comerciais, com meninos ao colo e até os vemos por aí aos montes, em tamanho reduzido, a subirem pelas paredes dos prédios, desdenhando da tradição da chaminé.
Mas sabemos que não é só esse aspecto (importante) das prendas aos meninos que se portam bem – mas, alguma vez, um que se tenha portado mal ficou sem prenda? – e com o andar dos tempos essa troca de presentes entre toda a gente causando a aflição dos lojistas quando a coisa não corre bem. É muito mais do que isso. É a preparação da comida nesses dias, que é sempre com uns manjares especiais, é o encontro entre as pessoas, que mesmo que se vejam poucas vezes por ano, nestas dias aparecem para dar um abraço, e é…. tá, tá, tá, tá, os enfeites típidos da época. Até as ruas se enfeitam com luzes, e até faz parte da tradição ir dar um passeio à noite para as ver acrescentando a nossa opinião, nem sempre simpática…
E sobretudo a nossa casa.
No meu caso, isto dura cerca de um mês.
Nos inícios de Dezembro, aproveitando os feriados, a casa transmuta-se por magia. E é engraçado que mesmo que dê trabalho, é sempre com muitos risos e grande paródia que se vai inventando enfeites novos, locais originais, ou procurando o local exacto daquele que é ‘sagrado’, tem de ser exactamente em determinado sítio …
E são vitraisinhos nas janelas, coroas de verdura nas portas de casa, uma mais espampanante para a porta da rua, montes de fios doirados ou prateados saindo dos objectos mais vulgares, estrelas, sinos, flores, velas, a casa parece que levou com uma varinha de condão das de boa qualidade. Até a luva de banho, neste período, é a cara do Pai Natal! :)
E já salto por cima do prato de resistência, que é o maravilhoso pinheiro, é claro! Nisso nem falo!
E vivemos um mês inteiro numa espécie de «casa encantada». Depois chegam «os reis». E o sonho tem de voltar para o baú…
Hoje, olhei para a minha casa e achei-a tão vazia… Ná. Tenho de dar uma volta a isto. Dinheiro para remodelações não há, mas sempre se pode mudar o lugar de um ou outro móvel, trocar um candeeiro de sítio, passar a usar uma louça que estava mais guardada, enfim, dizer adeus ao Natal, mas ao menos não regressar para a mesma casa que estava a habitar em Outubro. Talvez daqui a uns tempos, lá para fins de Fevereiro, tudo volte então à rotina.

18 comentários:

Joaninha disse...

Acho que foi o título que nos tirou o pio.
Ainda ninguém comentou nada e até percebo, uma pessoa fica assim que a modos que aparvalhada... Meu rico Natal!


Mas vale a pena ler até ao fim.
Afinal o que dizes é um pouco o tal refrão «Maria para onde vais? Vou p'rá FESTA!« Maria, de onde vens? Venho da fes-ta...» Quando o clima de festa acaba há uma terra de ninguém que faz um pouco de impressão.

Mas essa ideia de «dares uma arzinho» diferente à tua casa é capaz de não ser má ideia

Mary disse...

Eu venho já a seguir à Joaninha e um pouco na mesma linha do que ela disse - o final das festas é sempre .... fim de festa!

E isso de se fazerem umas pequenas mudanças tem uma vantagem: é que quando em Fevereiro voltares a por tudo como estava, vais dizer toda consolada «Afinal assim ficava muuuito melhor!»
lol!

Anónimo disse...

Também me faz uma impressão do caraças ver esses pais-natal escaladores de prédios. Aquilo é para ter graça, mas para putos que têm medo dos ladrões não vai ajudar lá muito... Que raio de ideia!
................
E já agora, a Emiéle não falou num «contra-ataque» paroquial que consiste em vez de por os pais-natal ali ao frio a tentar entrar em casa, pespegar com uma cortina encarnada com o menino-jesus também semi-nu a gramar estes frios horrorosos mas a mostrar que naquela casa vive uma família cristã!
Ele há cada um....

King disse...

Esta mulher já tem dito por aqui que gosta de fazer mudanças (alterações?) lá na sua casa. Ora aqui está um bom motivo!
(Mas ainda tens alguma coisa que dê para mudar?)

Emiele disse...

King, venho num instante só acentuar que bem me conheces... De facto vai ser difícil mudar mais qualquer coisa, a não ser o exemplo dos pratos «do costume», ou o lugar do candeeiro...
LOL!!!

silvya disse...

Para não fugir ao diálogo aqui vai:
porque não posso, não podemos ter a casa enfeitada de natal durante todo o ano? porque não subverter a situação e dizer que na verdade Natal não é quando um homem quer, mas sim quando uma Mulher quer. principalmente se é a mulher que arma o pinheiro (verdadeiro ou não) o presépio, arranja os enfeites e as velas, e por vezes o "homem" da casa nem sequer lhe dá valor.
ainda não desmanchei a casa dos festejos de Natal. não me apeteceu e não sei se me vai apetecer...
há anos que digo como algumas amigas, que um dia deixaremos a árvore e tudo o mais montado pelos motivos óbvios.
e depois Emiele, é verdade. fica sempre uma sensação de vazio, depois da retirada natalícia .
a mim, faz-me tristeza,embora os meus natais já não tenham o simbolismo de outrora, mas...deixem-me sonhar que é natal.
mudar a mobília? os bibelots? sim é possível, mas isso nós fazemos durante o ano inteiro, não é?
já que estes "Fulanos", comem tudo e não deixam nada.
pintar-se as paredes de outra cor é uma ideia, não acham pessoal?
e talvez não seja uma má ideia, pintar-mo-nos a nós próprios, consoante o nosso estado de espirito.
confuso, não?
talvez...acredito que sim. mas desculpem lá o desabafo, mas como já expliquei anteriormente saí muito mal do ano velho e entrei muito mal mesmo neste que chegou.
daí a amargura. de qualquer forma aquele abraço, para a Emiele, Joaninha, kika, Mary, Zé palmeiro...etc...
ah! e estamos quase de fim-de-semana.
boas músicas e bons filmes.
beijinhos
silvya

josé palmeiro disse...

Chego a horas! Logo atrás da Silvya, que diz aquilo que todos(?) , julgo eu, sentimos: Porque não o Natal, quando quizermos?
Cá por mim, nesta fase, que não é boa a não ser para uns quantos, com esta opção de vir para os Açores e com o vai vem dos filhos e dos netos, para além das festividades desta terra que junta o religioso com o pagão, de uma forma incrível e inconsciente, fazendo um contínuo de festividades, que nos leva a andar sempre num virote. Dito isto, vamos todos mudando alguma coisa, em casa, na rua, na vida, para que sejamos mais felizes e coloridos. Eu, agora, estou a preparar-me para mudar a cozinha e transformá-la, num sítio onde nos sintamos bem a fazer aquilo que nos apetecer!!!

silvya disse...

ainda aqui volto para deixar uma nota breve: O fj,tentou creio eu, elucidar-me quanto a sua forma de escrever, eliminando acentos e conssoantes. tudo bem. não tenho nada a acrescentar, só de notar que é bom aqui no populo, sermos aquela família que por vezes na vida real não existe.
obrigada neste caso, FJ.
quanto aos relatórios dos psiquiatras e psicólos, fiquei um pouco baralhada, digamos. quem anda a beneficiar das consultas?
são eles ou és tu?
desculpa tratar por tu, não é meu hábito, mas acho que aqui nos blogs não existe esse preconceito, e parece que não deves ser assim tão velho...ou então...explica-te. ok?
como já disse antes sou novata nas lides da blogoesfera, mas é deveras engraçado.
ah! e já agora este post, fez-me lembrar a canção do Chico Buarque, Foi bonita a festa pá...fiquei contente...
joaninha, és uma pérola. fazes sempre lembrar-me de melodias que estão na minha memória e de vez em quando...saltam cá para fora.
obrigada.
a si Emiele, desculpe, usar o seu blog desta forma, mas é para isso que estas coisas existem. não é?
abraço.
silvya

kika disse...

Sendo o Natal uma festividade cristã, os não cristãos festeja-na com toda a simbologia do nascimento de Cristo.
Acho interessante, esta mistura de religioso e pagão.Actualmente tem mais de pagão do que de religioso e tranformou-se numa festa da familia revelando todas as suas vertentes.
Resumindo e concluindo quem mais partido tira , é o comercio.
Tudo o resto ficou mais pobre ou endividado...
Gosto de remodelar a casa , isso sim ou mudar qq coisa, a monotonia cansa-me, mas a casa enfeitada todo o ano de Natal como diz a Silvya a brincar, não!
Já agora um abraço tambem para ti Silvya e esquece essa amargura que não te resolve os problemas , antes pelo contrário rouba-te energia para os resolveres!
Continua a passar por cá que isto por vezes é bem divertido, eu acho!

fj disse...

Acho que são mais eles do que eu ( se calhar em 2010 inverto até a direção da remuneração ). Sou velho sou, e amargo.Mas podes trater-me por tu.
Construtiva a sugestão do ZP, aplicavel a qualquer divisão, já estou a ver a cozinha dele ás riscas vermelhas e brancas, e das mesmas cores o restante equipamento que ajude ao tal conforto.Mas não te esqueças que a cozinha é, essencialmente, o lugar delas por excelência...
Abraço de bom ano para todos.

melhas e brancas, mais o equipamento que a complete

Zorro disse...

Quero ver se mais lá para a noite ainda digo «de minha justiça», mas a ideia extraordinária da Silvia só pode ser considerada uma metáfora!!!
Repara, amiga, se tiveres a casa ou as ruas, «enfeitadas» de Natal o ano todo, isso acaba por ser a negação do Natal como festa...
Era como ser Carnaval o ano todo, ou ser S. Valentim o ano todo, o o dia da mãe o ano todo...
Percebo como metáfora: o tal 'espírito de natal' em que somos todos muito bonzinhos, podia ser como utopia, prolongado todo o ano.
E mesmo assim...

OK, mas o post tem graça e ainda tenho umas coisas para dizer, mais lá para tarde quando tiver tempo.

fj disse...

Se alguem me leu já verificou que lá existe um "erro informático".Silvya aqui não escrevo em familia,á bébé ou como um tonto, apesar de gostar tanto disto.Há muita suscetibilidade em relação á ortografia, e vai-se ainda agravar com a história do Acordo.Quanto ás festas acho que foste um pouco mal compreendida.Deixa lá, acontece...

josé palmeiro disse...

FJ, depois de te ler e de rir imenso, só me apetece mandar-te uma foto da dita.
No entanto, como por aqui não é possível, prometo fazê-lo na "sesta".
Quando for, aviso.
Silvya, nós, por cá, somos todos uns jovens, só que uns, mais do que outros, mas só no que diz respeito à idade, porque de resto, é como vês.

A Senhora disse...

Eu sou um relaxo quando se trata de decoração de Natal. Mas isso é culpa da minha mãe! (adorável quando tem a quem se culpar...)Na verdade este ano foi tão corrido que não conseguimos dar conta nem de montar a árvore de Natal. Mas quanto às mudanças... Sempre me lembro da minha mãe recrutando os 5 filhos para reformar sofás, mudar as salas, pintar a casa toda, mudar as cortinas... Jurei que um dia pregaria todos os meu móveis no chão para não ter perigo de sair do lugar. :))
Mas adoro essa época! :) E normalmente são os meus meninos que cuidam da decoraçào. Logo, acho que, na idade em que ja estão, eu vou ter que retomar essa função. ;)

Beijos

Zorro disse...

Disse que voltava cá e quero cumprir a promessa. Ou seja, pertenço um tanto ao grupo dos que gosta «assim-assim» do Natal por ser uma época de uma espécie de 'alegria forçada'. temos de ser todos amigos e dar as mãos e fazer as pazes se estamos zangados.
O caraças!!!
Não tenho nada esse modo de pensar.
Que o velha frase «o Natal devia ser todo o ano» sempre o entendi de um modo idealista, como disse «devemos ser generosos, amigos, tolerantes» etc, todo o ano. O que também me parece uma treta, mas em cantiga soa bem...
Agora ter a casa toda sempre «natalícia» isso seria um susto! É este mês e chega!
..........
Mas ainda não me calo, porque afinal as mudanças de que falas, essas encaixam bem, no dito e famoso 'espírito do ano novo' não é?
E assim fica tudo bem...


Silvia, eu imagino que a média de idades dos leitores deste blog (tirando o Farpas e talvez o Miguel) seja parecida e ninguém é lá muito novo. :)

Saltapocinhas disse...

Ao contrário de ti, eu gosto quando a minha casa volta "ao normal"!

silvya disse...

ola, a todos!
estou a sorrir, a sério.
nunca pensei ter tantos comentários as notas breves que escrevi, soltei e achei piada.
obrigada Zorro, pela consideração, eu gosto de utupias, assim como gosto do sonho.
obrigada Zé palmeira, mas ém relação a idade é tudo muito relativo...
para mim, os "velhos", são os chatos que não conseguem ver a luz, a alegria e tem medo da vida, vá-se lá saber porquê?
quanto a ti FJ, desculpa mas fiquei na mesma, tens de te explicar melhor...és muito confuso...
de qualquer forma é bom sonhar.
abraços
silvya

Miguel disse...

Finalmente acabou. Digamos que é uma altura do ano à qual não acho particularmente grande piada. Em primeiro lugar, sou ateu convicto assim como uma parte significativa da minha família. A minha família mais próxima não decora nada em nome do Natal. Aproveitamos para nos alambazarmos com os comes e bebes típicos da época. Aproveitamos para estar juntos, todos e uma lembrança aqui e acolá. E já está! De resto, é vê-lo pelas costas o mais depressa possível...