sexta-feira, dezembro 04, 2009

Regras, excepções ou vice-versa

Aqui o Pópulo é um blog pacato e bastante consensual nos comentários. De uma forma geral registo poucas discordâncias ao contrário de alguns onde as caixas de comentários parecem campos de combate (o que também tem o seu picante, é claro) Se calhar quem passa por cá e discorda muito limita-se a não voltar a passar, simpaticamente para mim.
Mas isso não quer dizer que não aprecie a discordância, dá mais vivacidade ao que aqui se diz. E tem acontecido, mas pouquíssimo. O que ainda anda mais perto é quando eu conto uma experiência e um visitante explica que com ele não foi nada assim. Estou no momento a lembrar-me que ainda ontem, em brinquei um pouco com a lentidão da resposta pública nas questões de saúde, mas o José Palmeiro em comentário fala da sua experiência pessoal, por ele não se pode queixar, tem um bom atendimento. Ou seja, nada de generalizar!
E também, é certo que deixei aqui no sábado passado (e vou renovar amanhã) a minha despedida por uns dias. Para mim, um feriadinho à terça, também servia à quinta, é excelente porque apenas metendo um dia de férias, consigo logo 4. (aliás se tivesse sido mais gulosa e metido os dias do meio desta semana tinha tido quase 15 dias de férias....). E estava toda contente com isso, pensando que todos estariam de acordo, mas a Catarina/100nada, tira-me essa convicção quando ontem declara "Tou mesmo irritada com a porra do feriado à terça e prá semana há outro!" mostrando por A+B, que para ela isso faz-lhe reviver a angústia do Domingo, duas vezes na mesma semana. É chato, reconheço... :) Ou seja, mais uma vez devo evitar as generalizações, há quem goste mas também há quem embirre fortemente.
Porque a verdade é que mesmo que não o queira tenho muita tendência a generalizar e, a partir de alguns casos, ou até a maioria, esquecer que nem todos temos as mesmas experiências.
Agora que pelos piores dos motivos se tem falado em violência doméstica, mulheres agredidas, espancadas e até assassinadas, tinha a ideia de que as autoridades não se empenhavam tanto quanto era preciso. Ora ainda ontem, estive a falar com uma mulher, que teve de fugir para casa dos pais com os dois filhos pequeninos, mas antes tinha ido apresentar queixa à GNR. Segundo me contou foi lá diversas vezes, e foi atendida de uma forma impecável e atenciosa, orientaram-na para a delegação da APAV, e inclusivamente quando ela avisou que ia retirar os seus bens pessoais de casa, destacaram para lá uma brigada para a proteger, pondo o agressor em sentido enquanto ela carregava o carro. O que ela me transmitiu é que se sentiu segura com a presença daquela autoridade e que recebeu o maior apoio e simpatia.
Portanto, tenho de por de lado ideias-feitas.
Dão jeito, mas são podem ser falsas.

É importante pensar em todas as perspectivas.



12 comentários:

Joaninha disse...

Quem de nós o não faz que atire a primeira pedra!
É da natureza humana, penso eu, isso de gostar de generalizar. Torna o raciocínio mais preguiçoso mas facilita-nos a vida. Os.... são assim e os ....são assado. E toca a meter-se tudo na mesma barrica.
Deste aqui uns exemplos mesmo bons.
Em relação aos atendimentos nos Centros de Saúde e hospitais em geral o coro de queixas é grande. E, decerto que com fundamentos, mas há numerosas excepções. Também tenho uma amiga que não pode dizer melhor do seu médico de família, que não trocaria por uma sumidade no privado. E quanto à Catarina (tem sempre graça) realmente quem veio trabalhar na segunda pode sentir que teve 2 inícios de semana! Chato. Mas também podiam pensar que tinha dois fins num só...
O caso do atendimento desses serviços de polícia, deve depender muito das equipas, imagino. Eles devem ter uma formação para estarem mais sensíveis, mas nem todos.... Essa senhora teve sorte.

Joaninha disse...

Ah, e assim como quem não quer a coisa, já avisaste que repetes a dose este fim de semana que se aproxima?!
BOA!

josé palmeiro disse...

Tal qual, Joaninha. A eneralização é sempre perigosa, mas que devemos realçar, tanto uma, como a outra face, não tenho a menor dúvida.
Feriados, semansa cortadas, são sempre melhor que nada. Quanto às angustias, a Catarina, tem razão, o Domingo, é um caso perdido, safa!!!, do que eu já me livrei.

Mary disse...

Olá, olá!
Isto de ser uma sexta antes de um fim de semana prolongado (também eu, também eu!) faz com que eu chegue aqui um pouco mais tarde e pelos vistos o resto da malta também.
A perspectiva da Carolina é partilhada por algumas pessoas, que odeiam o Domingo como 'a véspera' do início da semana lol!!! E, está bem visto, uma semana com dois inícios deve ser terrível - mas eu sigo alegremente para aponte (ou túnel como disse aqui a Didas, creio) e a única desvantagem é que hoje tenho de tratar de imensas coisas.
Também já tinha ouvido que as forças da polícia que tratam destas coisas tem uma formação especial e são muito mais sensíveis do que eram há uns tempos.
Mas cá está! Não faço a ideia se são todas, ou sequer a maioria...

Mary disse...

A tua imagem de hoje é um tanto hermética - interpretei aquele rodopio como as diversas leituras que pode haver de um facto,... será?

méri disse...

Nem mais!
Está tudo dito e com bons exemplos!
É claro que o que corre mal é sempre o que sobressai e por isso é notícia.
O que corre bem, não é, e, se calhar, não tem que ser! Acho eu.
MAS quando se faz uma notícia de algo que correu mal, não faria mal a ninguém, evitar o tal tom de generalização - ex: ciclicamente aparecem notícias de centros de saúde onde os utentes têm que estar à porta desde as 5/6 da manhã! Sempre que ouço estas notícias penso logo que o responsável desse centro é uma .....(preencham como quiserem) porque normalmente muito perto desse centro há outro em que essas situações não acontecem.
E agora vou generalizar :) temos um enorme problema de organização e algumas chefias intermédias muito medíocres!
tenho dito!

King disse...

É bom vir depois da Méri, que dá para fazer uma espécie de copy/past!
A nossa informação tem bastantes culpas no cartório, porque como disse a Meri, realça muito o negativo mas poucas vezes chama a atenção para o bom. Como tu tens feito com graça na secção 'Boas Notícias'.
A gente sabe que os nossos serviços de saúde poderiam ser muito melhores. Nem se discute. Mas reparem bem que quando há uma situação grave, é exactamente para os Hospitais do Serviço Público que são mandados. Ou seja, ainda onde as coisas são melhores são mesmo aí.
E achei muito interessante isso das forças da polícia estarem a ficar mais sensibilizadas para atender com delicadeza a atenção quem recorre a eles com uma queixa dessas.
Haja Deus!
Alguma coisa começa a mudar!!!!

fj disse...

Dois inicios e dois fins de semana.Eu cá desde a escola que tenho a angustia do domingo, e ainda tenho ( mas não a valorizo muito, nisso sou mesmo bom, tenho a da 2ª, a da 3ª... de 1 de janeiro a 31 de Dezembro, embora a da volta ao trabalho seja especific, que dizer então do fim de férias). Posto este intróito com o meu habitual optimismo, vou um pouco mais longe, esses gnr(s) que a senhora apanhou são, certamente, vitimas da tão silenciada violência doméstica de origem.Este o segredo! Brinco claro, em recente entrevista que tive com um responsável da PSP aqui da área pude aperceber-me de transformações que realmente estão a decorrer o que não invalida em nada que os/as gnrs que sentiram na pele não a percebam melhor.Males que vêm por bens.

kika disse...

Não vou repetir o que já foi dito porque subscrevo na integra a Joaninha, a méri ,e a Catarina.
Mas, cá vou eu discordar um bocadinho... de tantos feriados num País com produtividade tão baixa!
Não discordo na totalidade, porque infelizmente o desemprego é altissimo, embora uma coisa arraste a outra, claro!
O que corre bem, e são excepções como a referida pelo zé Palmeiro, não tem de ser noticiado, pois essa é a obrigação dos que lá trabalham, e se cumprem bem o seu dever, basta-lhes a boa sensação que isso provoca e a expressao de gratidão de quem lhes apareceu á frente.
Mas o que nós constatamos são as noticias que crescem exponencialmente de maus
exemplos e muitos nem se queixam porque sabem que não vale a pena!
Bfs

kika disse...

Depois de ler o King e o fj ( entramos ao mesmo tempo) só tenho de fazer mea culpa, pois sou muito pouco politicamente correcta!!

King disse...

O que disse a Kika, reflecte muito do que ouvimos e se bem que tenha razão nos pontos que refere em separado, não tem muita quando os junta.
Ou seja, em Portugal há baixa produtividade. É um facto, creio.
Temos muitos feriados? Já não é um facto, apesar de ser muito repetido. Estamos com uma média de feriados exactamente dentro da média da generalidade dos países. Nem mais nem menos, façam um busca e confirmem. o que se passa é que há terras onde exactamente para dar ao feriado o seu valor, mas para evitar que se passe por cima de um dia útil, se 'arruma' o dia feriado junto do fim de semana!!! Neste caso, em vez de 3ª passaria para 2ª. Mas porém quando eles caem ao sábado ou Domingo, +assam também para 6ª ou 2ª. Isso é que é!
E também a minha opinião é que se produz muito pouco por estarmos desmotivados. Um trabalhador português vai para o estrangeiro e não tem fama de preguiçoso, muito pelo contrário!!!

cleopatra disse...

olá.um pouco atrasada, mas...aleluia! gosto de feriados,
gosto de chuva, que chove, não gosto de chuva não chuva. gosto de domingos a seguir á segunda feira. gosto de férias, e de feriados, e de férias e feriados assim, sucessivamente.
se não houvessem férias, não se trabalhava...não é?
nem todos estão já aposentados, e os que estão, não tem que ter pesos na consciência.até logo...
cleopatra


hoje é a correr, tal como a vida.
até logo.

até.
c