quinta-feira, outubro 01, 2009

As armas

Li por aí que os advogados querem ter direito à licença de uso e porte de arma à semelhança dos juízes.
Primeiro, eu ignorava que os juízes andassem armados. Quero dizer, se calhar até nem andam, mas a verdade é que podem fazê-lo se lhes der na cabeça. Ali o CEJ deve ter nas traseiras uma carreira de tiro como se vê nos CSIs! As coisas que eu vou aprendendo ao longo da vida...
E agora os senhores advogados também querem esse berloque.
Pelo que entendi, a exigência prende-se agora com o facto de, recentemente, um advogado ter sido atingido a tiro por um homem contra quem tinha ganho uma acção Foi uma história triste, é claro. Um sujeito furioso, se calhar dos que costumam agredir as mulheres, desta vez decidiu agredir o advogado dela. Que eu saiba estes casos são raríssimos, nem me lembro de outra vez que isto tenha acontecido de modo a poder generalizar que ser advogado é uma profissão de risco.
Mas chegou para os advogados desejarem passar a poder andar armados. Lendo a história que veio no jornal, não entendo bem o que nesse caso teria mudado para melhor com o facto desse senhor advogado ter uma pistola no bolso. Teria ele puxado da pistola antes? Teria por sua vez baleado o agressor?
Lembrei-me de outra história que também está em julgamento, de um sujeito que matou outro no meio de uma discussão e agora em tribunal alega que disparou porque "não sabe lutar"
Até pode ser possível. Uma pessoa que não sabe andar à pancada mas tem uma pistola no bolso, pode agarrá-la se imaginar que tem necessidade.
Valha-me o São... (qual será o das armas? São Jorge?) porque este raciocínio é complicado. Pode ajudar os armeiros, a crise também deve ser para eles, mas não vejo que ajude a diminuir a violência.
Quanto mais armas de fogo existirem maior a violência, ou não será?

14 comentários:

fj disse...

Isto até pode ter uma explicação mais freudiana,sobre a qual não tenho conhecimentos para me alargar.Concordo que, armados ou não,advogados apanhados como aquele nem têm tempo para perceber.Mero efeito dissuasivo?
No meio dessa malta o direito em rigor devia pertencer aos criminosos violentos.Aumentava a receita com uma licença de porte e uso de armas para fins violentos,e conferia uma maior consciência crítica a marginais.Brinco claro, mal, pois quanto menos melhor em matéria d armas de destruição individual ( com as outras é diferente, mas isso não vem para aquichamado ).

Emiele disse...

É isso.
Quanto menos melhor.
É certo que um tipo desvairado pode atacar com uma faca, com um tijolo, seja com o que for. Mas quanto mais armas de fogo existirem em circulação mais fácil é o seu uso. Imagina-se os milhares de advogados que existem cá, todos armados?! A imagem assustou-me.

Emiele disse...

De resto acho muito bem que brinques, fj. Para mim não há assuntos tabu para a ironia com raríssimas excepções e que não este.
:)

sem-nick disse...

As coisas com que não se brinca para mim são por uma questão de «mau gosto». é o tipo de brincadeira que faz ricochete e apanha a criatura de mau gosto que disse a piada. Pelo contrário aqui o «nosso fj» mesmo que por vezes tenha um humor tão elaborado que a gente fica a pensar, nunca dei por nenhuma dessa piadas que chamo de mau gosto, muito pelo contrário.
E agora passemos às pistolas e aos advogados.
Por amor da santa! uma categoria profissional que anda armada, sem ser os polícias (e na Grã-Bretanha nem mesmo os polícias) parece-me o máximo de absurdo. Também desconhecia isso dos juízes, passo a ter ainda mais medo deles!

Joaninha disse...

Estou de boca aberta!
É que isso pode ser uma mancha de óleo a alastrar. Se os advogados podem ter clientes (ou anti-clientes) agressivos, os psiquiatras podem apanhar com loucos furiosos, os assistentes sociais podem lidar com psicopatas, e por aí fóra.
Em vez de se desarmar os que já andam por aí com armas, vamos armar os que ainda as mão têm?...
Anda tudo louco com a mania das regalias!

Pedro Tarquínio disse...

Incrível. Armas geram violência.
Sou contra a posse de armas excepto polícias e militares em serviço.
Ao invés, cantem, pois...
"A cantiga é uma arma
eu não sabia
tudo depende da bala
e da pontaria
Tudo depende da raiva
e da alegria
a cantiga é uma arma
e eu não sabia..."

Maria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria disse...

É isso, não às armas! A Joaninha falou muito bem ao lembrar tantas outras profissões que podem correr esse risco ou maior e falo por exemplo dos agentes sociais que, conheço alguns, em campo intervêm em bairros bem complicados. Qualquer dia os professores também se sentiriam no mesmo direito e qualquer dia iríamos ter medo da nossa própria sombra - lembrando o Lucky Lucke (pela tua ilustração) "o cowboy mais rápido que a sua própria sombra":))

shark disse...

Mas anda tudo doido? Querem transformar isto no faroeste?
Espero que o Marinho Pinto consiga travar os gatilhos dessa malta chanfrada...

A Senhora disse...

Uma vez um amigo comprou uma arma. Pequena, prateada, linda. E me mostrou e deu para que eu a segurasse. A sensação de que aquele objeto pode ser a diferença entre a vida e a morte de alguém é impressionante. Naquele dia eu soube que, se eu tivesse uma em meu poder não hesitaria em usá-la caso eu achasse necessário. Logo em seguida me veio à cabeça: quando é necessário? Então, decidi que nunca teria arma em casa. As nossas loucuras, paixões, injustiças pessoais, acabam por nos tornar assassinos em grande escala.
E como bem disse Joaninha, por causa das nossas "necessidades", acabaríamos por armar a população inteira.

bjs

Emiele disse...

Muito bem visto (e bem contado) Senhora. A verdade é mesmo essa, imagino eu, o ter uma coisa dessas na mão dá-nos mais confiança, torna-se fácil usar, e daí ao descontrolo vai um passo.
Shark - olá!!!! Gosto imenso quando me visitas! é o que eu penso, anda tudo meio doido. E, tenho de confessar que isso me assusta. Neste caso, mesmo que os doutos advogados guardem a dita arma na gaveta, o que impede que o filho adolescente com gostos violentos, o namorado da mulher-a-dias, alguém que saiba onde ela está, a use?
Pedro - é isso. Para além de certas (poucas) profissões, não vejo porque hão-de as pessoas andar armadas.
Maria, 'apanhaste' bem a minha ideia. É que seria uma bola de neves, porque de facto há várias 'profissões de risco' hoje em dia. Só que as pessoas devem aprender outros modos de defesa. Que tal cursos de defesa pessoal?...

Mary disse...

E a verdade é que nem a polícia inglesa anda desarmada. Foi bonito e romântico mas «já era»...
A verdade é que se é para assustar ou «meter respeito» qualquer pistola de alarme faz o mesmo efeito. Agora essa ideia peregrina de que toda uma classe profissional tem esse direito, é assustador. Mesmo os polícias têm uma arma de serviço, é-lhes fornecida pela sua unidade não é deles! Agora lá porque se tem um diploma de direito e está inscrito na ordem vai poder andar de pistola à cinta????

King disse...

A piada deste blog é que «esmiúça» as notícias que muitas vezes até nos passam desapercebidas!!!
Esta não tinha reparado, e sobretudo não relacionava estas coisas todas.
Bravô, Emiéle!

E, nem posso estar mais de acordo!!!

terrasonora@portugalmail.pt disse...

pela verdade!

www.causaprimeira.blogspot.com