sexta-feira, maio 15, 2009

O Bloco Lateral

O RAP, fala-nos do que acha sobre o Bloco Central e considera que «mais depressa faz sentido um governo de Bloco Lateral».
Bem visto.
Dêem lá uma espreitadela (ao RAP claro, não ao Bloco Central que já vimos que chegue...)


11 comentários:

zorro disse...

Veio ontem na Visão.
Este tipo é das arábias. O Bloco Lateral é fundamental!!! LOL!! :)

Joaninha disse...

Adoro este tipo!!!!
(mas nem por isso da foto que escolheu; não precisava das caretas)

kika disse...

Gosto muito do Rap,mas é a sua visão! A verdade é que a crise é tão profunda, que um só partido arcar com a responsabilidade do que aí vem, pode levá-lo a uma total exclusão.
Isso não é bom porque os dois maiores partidos são representativos do povo portugues.O resto são franjas, que fazem falta sim senhor e gosto que existam . São a melhor prova de que ainda temos uma democracia, fraquinha é certo, mas há que continuar a lutar pela sua sobrevivencia, já que está quase a ficar moribunda...

Joaninha disse...

Kika, tu és bastante nova e muito provavelmente não viveste esses anos, mas olha que já experimentamos um Governo de Coligação PS + PPD. Tivemos já de tudo, a Aliança Democrática (AD) em 1979, e mais tarde (não me recordo agora se tinha nome) uma aliança PPD / PS. Não resultou. [Aliás em Portugal o PS já se aliou a todos (até ao CDS) só ainda não experimentou aliar-se à sua esquerda, e não vai ser agora.]
Note-se que afinal a Democracia é feita de algumas cedências e de negociações. Se já agora com uma 'simples' maioria absoluta é o que se vê, imagine-se uma «maioria absolutíssima como seria nesse caso. Já se viu que dois galos numa capoeira não resulta!

Pedro Tarquínio disse...

A expressão 'partidos do arco da governação' criada pelos próprios parece que lhes dá um direito divino a governar e os restantes partidos só servem, como diz a kika, para provar que temos uma democracia.
Também já lhes chamaram Dupond e Dupont (acho que era o C. Carvalhas) e a verdade é que ps e psd são tão identicos que acho que se devem não só aliar como fundir.
Poderiam então surgir modelos alternativos,e usando o 3º chavão neste comentário, com ps e psd só mudam as moscas.

josé palmeiro disse...

Tudo dito!
Sem dúvida que a análise do Ricardo é certeira e não merece contestação.
Em trinta e cinco anos, muitas foram as experiências governativas, menos uma, o poder do "POVO". Porque não experimentar?

zorro disse...

Pedro, estás cheio de razão, mas que susto se de facto eles se fundissem...
Por outro lado, eu acho que há gente dessa faixa ideológica (digamos assim) que não se reconhece nem num nem noutro partido. Vocês lembram-se do sucesso que foi o Partido Renovador Democrático - o PRD de ramalho Eanes? Quando nasceu arrebatou aí uns 18% dos votos. Claro que depois não se aguentou.

kika disse...

Este ano Joaninha , podes crer, aliás já o disse aqui. O meu voto vai ser branquinho , branquinho , nem quero responsabilidades...Em Portugal nada resulta enquanto reformas profundas não forem feitas a começar pela justiça, e pela Admnistração Pública no meu ponto de vista.Já há dias disse que 300.000 fazem o destino de 9.700.000 e são sempre os mesmos saem daqui e vão para ali cheios de vicios de profissão, etc etc
É uma forma muito leviana de eu ver as coisas e não desejo que pensem como eu, mas dos gatos e gatas assanhados que vejo nos debates, não confio. É só luta pelo poder e não vejo alguem com valores e vontade de defender o Pais do atoleiro em que caíu.
Acredito que há homens e mulheres por aí com tudo isso que eu desejo,
mas por enquanto não são visiveis,
embora não espere um D. Sebastião. Fico na esperança, que alguma solução há-de surgir

josé palmeiro disse...

KIKA, atenção: O voto em branco, é de grande "RESPONSABILIDADE", se o fizeres, o que acho perfeito, mas isto sou eu, não te iliba de responsabilidades, outras, eu sei, mas RESPONSABILIDADES.
O voto em branco é, MILITANTE!!!

Emiele disse...

Faça-se o que se fizer é sempre uma escolha. Eu estou como a Kika, também a achar o voto dificílimo!
E tudo conta.
Claro que o «em branco» conta muito, mas afinal até a abstenção conta, porque pode fazer variar o universo dos votantes.
O «em branco» ou «nulo» - que também me agradaria porque pode levar uma coisa escrita, o nosso desabafo - entra na contagem e se forem suficientes podem alterar bastante os resultados.

kika disse...

Obrigada ZP pelo alerta mas seja qual for o voto, é sempre duma grande responsabilidade e a minha consciência hoje ( não sei se vai ser possivel alterá-la até ao dito dia), não me orienta para nada...
Pode ser que surjam factos novos, que me levem a mudar. who knows???