segunda-feira, maio 04, 2009

Bom senso



Às vezes os bom-senso parece completamente afastado da cabeça das pessoas, mas felizmente nem sempre.
E, se a dita crise, tem aspectos profundamente maléficos como é sobretudo a questão do desemprego nas suas várias vertentes (quer perder o emprego quer nunca conseguir um que dê um mínimo de estabilidade) noutros parece que tem ajudado as pessoas colocar os pés no chão.

No outro dia, falava-se que se estava a começar a tomar o pequeno-almoço em casa, o que no meu entender só é mau para a restauração. Hoje li que os supermercados reconhecem que "os portugueses estão a procurar soluções que lhes permitam confeccionar as suas próprias refeições e, desta forma, gerir de uma forma mais económica o rendimento disponível".
Ou seja, um jantar em restaurante volta a ser uma festa, uma ocasião excepcional, mas no dia a dia vamos comer aquilo que cozinhamos. E afinal os nutricionistas devem estar contentes porque parece que se venderam menos chocolates, menos açúcares e usou-se menos snacks. Quanto a isso parece que o mal não é grande....


10 comentários:

zorro disse...

De qualquer modo a tendência para uma alimentação mais racional só se inverte quando por um lado os miúdos voltarem a gostar de hortaliças, coisa que me parece ainda muito longe, e as ditas começarem a ter uns preços mais acessíveis.
Claro que não é mau que se consumam menos açúcares e gorduras, clap, clap, clap, mas seria bom recuperar-se um tanto o consumo das fibras e não é preciso serem das XPTL que v~em em pacotes bem decorados e com brindes lá dentro.
E para isso ainda temos de andar muito.

zorro disse...

.... e já agora como a gasolina anda cara, começava-se a andar mais a pé, e dava-se trabalho aos sapateiros.

Joaninha disse...

Eheheh! Isto é que é. Descobrir «benefícios» da crise. E não está nada mal visto!

kika disse...

A crise por um lado vai ter alguns aspectos positivos. Concordo.O que me faz pensar é o facto desse bom senso surgir por causa dela... e não porque a sociedade educou para tal.
Neste caso é forçado , não é uma livre escolha comer hamburguers ou saladas, por ex.
Tinhamos uma sociedade onde as industrias proliferavam e agora fecham por não haver escoamento dos produtos .Os miudos gostarão de tudo que os pais quiserem que gostem.Conheço 3 irmãs que o único doce que conhecem é a aletria que a avó lhes dá nas visitas.. e os pais são engenheiros e trabalham no ensino.
Considero um exagero , mas a mudança de hábitos, não é assim tão
dificil.

josé palmeiro disse...

Depois de ler o post e os comentários, fica-me por dizer que, como rural, que sou, estou longe das preocupações que afectam os urbanos.
Cada vez gosto mais, de produzir o que vou comer ou então, estar próximo de quem o faça.

King disse...

Que sorte, Zé Palmeiro!!! Isso de se comer o que plantamos para além de bucólico e romântico, é saudável e barato.
Só vantagens!!!!
A Kika tem imensa razão. É muito correcto que se consiga uma alimentação mais saudável, mas há hábitos que são sociais e as crianças comem aquilo que se habituaram a comer ou ver comer desde pequeninas...

André M. Palmeiro disse...

Necessidade, a quanto obrigas...

Emiele disse...

Estou muito de acordo com o King - o nosso Zé deve avaliar bem a sorte que teve!! O meu vizinho debaixo, ofereceu-me uma alface que trouxe e uma casinha que tem onde vai ao fim-de-semana. é espantoso o que aquela alface durou...as que compro no super o fim de pouco tempo estão velhas e secas!

Nós, Os Cachorros!!! disse...

Well. realmente acreditamos aqui na terra do sol nascente que esta crise veio para sacudir as pessoas.
Muitos brasileiros agora estão pensando melhor no que vão gastar seu rico dinheirinho e além disso, o que fizeram com o tanto que granharaam... rs
As lojas estão vazias e os restaurantes também...
Os supermercados são os únicos que aqui se encontram sempre cheios e cheios de promoções...
A maioria que conheço agora está a fazer suas refeições em casa.
Nós mesmo, aqui de casa, agora estamos lidando mais com o fogão, coisa que realmente não me agrada, mas que é necessária... rs

Emiele disse...

Que interessante o testemunho do Chachorro. Reparem que é um país nos antípodas (quase) e com a mesma 'resposta'.
Claro que não vai faltar muito que ouçamos as queixas da Restauração a dizer que os restaurantes e cafés estão a fechar... Vão ter de se 'reciclar' possivelmente e começar a oferecer outros serviços, talvez.