quarta-feira, abril 15, 2009

Poesia

Estive ontem no lançamento de um livro de poesia.
O primeiro volume de uma obra grande, muito grande, a obra de uma vida.
Foi o primeiro de 5 volumes.

O poeta nunca tinha publicada ainda nada, durante toda a sua vida que já conta bastantes dezenas de anos, tinha guardado tudo «na gaveta», com a ideia de que viesse 'um dia' a ser publicado.
Felizmente esse dia chegou e a partir de agora podemos encontrar à venda oprimeiro volume de «Instantâneos». São poemas curtos, tipo 'Hai-ku antes do tempo' porque na altura em que foram escritos - já lá vão mais de quarenta anos - esse tipo de poesia não era conhecida entre nós:


Ter o poema a duração do sopro
Nem o mar nem a vaga mas somente
Espuma da palavra em areal deserto

Francisco de Seabra Cardoso





Nota - o formato do blog não permite a transcrição exacta, porque há espaços entre algumas palavras que têm muita importância mas aqui o blogger não aceita...


20 comentários:

sem-nick disse...

Abres-nos o apetite.
Vou ver se encontro o livro.

King disse...

Ia escrever que não o conhecia, mas depois vi o disparate - se é o primeiro livro não podia conhecer!!!!!

Ainda bem que o publicou a tempo de saborear o vê-lo nas bancas. Isso de ter a vida toda as coisas «na gaveta» não leva a nada.

A capa é bem bonita.
e o poema que escolheste também,

(como é isso dos 'espaços'?)

Emiele disse...

O que queria dizer quando afirmei que no caso dele os espaços são importantes, é que gráficamente deixa um espaço no meio do verso quando quer fazer uma pausa.
Por exemplo:


Na seara sem vento {espaço] o sol a pino
Atravessa calor sua palavra
Dorme sombra [espaço] seu corpo de menino

Tive de deixar assim porque aqui nos comentários é igual, os 'espaços 'a mais' desaparecem!

Joaninha disse...

Tal como disse o nick «Abres-nos o apetite»!

Fiquei interessada.

estrela-do-mar disse...

A 'amostra' é excelente e a capa muito bonita.

Vou procurar, e pelo menos dar uma vista de olhos. Não digo que compre logo que hoje em dia os livros andam caros p'ra caraças!!!

Joaninha disse...

Eheheh!
Ainda estava aqui com isto aberto Equando entrou a «strela».

Sniff... estás cheia de razão. Se eu fosse comprar tudo o que me interessa, ia quase metade do ordenado :)
E depois as estantes?! Já pensaram? É que as nossas casas não esticam!

Anónimo disse...

Adoro este tipo de poesia.

Se foste ao lançamento é porque conheces o autor? A editora nunca ouvi falar.
Faz falta a poesia neste mundo. Valha-nos isso...

AB disse...

A capa é da filha do autor.È muito bonita de facto.Mas não procurem já porque a distribuição ainda não começou(razão enigmatica para mim).De qq. forma dentro de dias vai estar na única livraria só de poesia que é a Poesia Imcompleta,ali à Praça das Flores.E falo só desta porque merece ela própria uma visita.Encontram-se coisas que não se acham noutras nem depois de muito procurar.AB

josé palmeiro disse...

Tens toda a razão, os espaços, são fundamentais.
Ainda bem que conseguiu a sua publicação a tempo de a saborear.
É estranho, num mundo em que, uns escribas quaisquer, publicam a torto e a direito e vendem, sem qualquer qualidade, ande um homen destes com coisas escritas à quarenta anos e só agora as publique.
Que venha então o livro(s), para o podermos saborear.
Fui agora espreitar os outros comentários e, como sempre a AB, deu o seu toque, neste caso, essêncial.

Emiele disse...

Zé palmeiro, se a AB é senhora bem informada, neste caso ainda mais que o autor é seu conhecido. Aliás também meu, como deduziu ali o/a anónimo, embora algumas vezes passe por lançamentos de pessoas que não conheço de modo nenhum...
Quanto aos «espaços» nos versos tive de fazer referência porque perdi um tempão a tentar várias formas de conseguir que a mancha ficasse igual ao que ele escreveu e nunca consegui. Quando clicava para fixar em definitivo o parvo do blogger devia achar que eu era distraída e «arrumava-me» a coisa!

Tem piada que essa livraria tinha uma ideia de que tinha sido o Zé palmeiro que tinha já escrito algo sobre ela!? Podem informar-se AQUI e até tem um mapa.

Emiele disse...

Voltei a reler o que escrevi, e hesitei em apagar e escrever de novo, mas como tinha o link dava-me muito trabalho.
É que a frase «embora algumas vezes passe por lançamentos de pessoas que não conheço de modo nenhum» é um tanto estranha e levou-me a pensar no que ele ontem disse que quando ouve falar em 'lançamentos' se lembra logo de foguetões e do Cabo Canaveral... É claro que nunca vi lançar pessoas nem conhecidas nem desconhecidas, o que já vi foi lançar livros!

Contudo teria gosto em assistir ao «lançamento» de algumas pessoas que eu cá sei!

Maria disse...

A Livraria "Poesia incompleta" julgo ser, o novo espaço ,do Changuito; o anterior era "Da Mariquinhas" este tive o prazer de o frequentar, algumas vezes, quando vivia em Lisboa.
Parabéns a Francisco de Seabra Cardoso pelo seu livro.
Maria

Emiele disse...

Exactamente Maria, acertaste.

O mundo é pequeno, como se diz...

AB disse...

È sim senhora,o espaço do Changuito,Maria.E já agora a publicação só foi feita neste momento por vontade do autor e não por dificuldade de edição ou outra razão alheia ao próprio.AB

AB disse...

E já agora já houve lançamentos que fizeram juz ao nome.Os livros foram atirados pelo ar para cima da assistencia.AB

Saltapocinhas disse...

a poesia não é a minha literatura favorita, a não ser os poemas para crianças que adoro.
e leio-lhes bastante, pode ser que quando forem grandes continuem a gostar...

Emiele disse...

AB, não conhecia essa dos «livros lançados» literalmente e é espantosa!!!

Saltapocinhas, a literatura afinal é como a música. Nem sempre se gosta de tudo, e na música também há quem não goste de quase nada... para além do «seu» estilo musical. Gostam do fado, por exemplo, e o resto não conta. Ou só gostam de música clássica.
Tu gostas de poesia para a infância o que é um princípio. Quando eles crescerem o gosto pode ampliar-se, o que seria bom. Ou não...

Eu, pessoalmente, é um dos géneros literários de que mais gosto.

Joaninha disse...

Obrigada AB.

Já ajuda.
A Emiéle devia era fazer um outro post a anunciar a coisa.
Vá láááá....
É que aqui passa despercebido.
Eu vim porque vi o comentário a entrar.

Emiele disse...

Que coisa mais extraordinária!!!!!
Eu (e aliás a Joaninha pe,los vistos) tinha visto entrar aqui um comentário da AB dizendo onde é que já estavam os livros à venda.
Agora sumiu...
Completamente!!!!
Abracadabra!

(Eu juro que estou inocente, e já me prontifico a escrever um post a anunciar os tais locais...)

Emiele disse...

OK, está explicado...
não vos disse que hoje não estou boa? tou com febre, gentes!!!)Claro que não o encontrei neste post, porque o comentário foi deixado hoje... Mas também fui induzida em erro pelo comentário da Joaninha.
A culpa foi dela!!!
(convêm sempre culpar os outros, né?!)