quinta-feira, abril 23, 2009

Aljube transforma-se em Museu



Depois da vergonha que foi ter-se vendido o edifício da PIDE da António Maria Cardoso para o transformar num condomínio ou hotel de luxo, a indignação que tal levantou deu alguns frutos.

Pelo menos o Aljube vai ser «salvo» e transformado num Museu.
A assinatura dos protocolos –
um de cedência do Ministério das Finanças do Aljube à CML, e outro em que a CML o cede ao Movimento «Não Apaguem a Memória» - vai suceder às 6 da tarde do dia 25 de Abril.

Esta sim, é uma boa maneira de festejar a data.

14 comentários:

zorro disse...

Boa informação!

Cá temos nós o Pópulo como «serviço público». :)

sem-nick disse...

Porque raio o Aljube pertencia ao Ministério das Finanças???!!!

sem-nick disse...

É que fazemos logo umas associações estranhas, caramba!

AB disse...

Não sei se o Aljube é cedido depois ao NAM.Para já é cedido À Camara para que nele se instale o Museu da Republica e da Resistencia com novos contornos do que existe agora.E já agora no mesmo dia é inaugurada no Aljube uma exposição com o titulo "A voz das Vitimas"e um Memorial ,exactamente nas antigas instalações da PIDE.AB

AB disse...

Já agora a assinatura é um acto público e terá lugar no edificio do Ministério das Finanças no Terreiro do Paço.AB

Emiele disse...

AB, a informação que tive , onde me baseei para escrever isto, foi que seriam assinados dois protocolos, «um em que o M. das Finanças cede o Aljube à CML, e outro entre esta e o Movimento» (cito como me chegou) Nessa informação dizia-se que esse acto de assinaturas seria no Ministério da Justiça, mas eu pelo sim, pelo não não deixei a informação no post. Tu dizes que é no das Finanças, e faria sentido se era o dono.

Emiele disse...

Entretanto fui espreitar aos Caminhos da Memória e (quando eu escrevi o post não tinha ainda visto lá nada) encontrei a notícia mais completa Podem passar por lá.

fj disse...

Já nem acreditava.
Mas não limpa o que se passou na AM Cardosa em época tão estranha ( quem era o presidente nessa altura ?)

kika disse...

Faz todo sentido destinar esses espaços para esse fins
Jamais gostaria de viver ou dormir ainda que por uma noite num local com tão más energias!

Joaninha disse...

É certo Kika, é preciso uma frieza enorme e completa indiferença para uma pessoa se poder sentir bem e feliz entre paredes que oprimiram tanto e escutaram tanto sofrimento. mas a verdade é que a obra se fez com a 'aceitação' da vereação do momento, que lembra o FJ, me parece ter sido uma coligação de esquerda. Por vezes há valores que fazem esquecer outros.

Nesta caso, é muitíssimo bem escolhido. Um monumento importante na nossa cidade, e se conservarem ou restaurarem tudo, é algo digno de se ver. Parece que os curros desapareceram, mas poderão ser restaurados. também me parece que esta sim, é uma 'inauguração' adequada ao 25 de Abril.

AB disse...

Bom vamos então à informação(a ultima chegada)que parece ser a correcta:
25 de Abril ,18 horas,Espaço Justiça-Ministério da Justiça-Protocolo entre o Nam e a CML para ~estabelecer as condições de colaboração para a preservação da memória compreendendo:

-Criação do futuro Museu da Republica,Resistencia e Liberdade na Antiga Cadeia do Aljube
-Realização da exposição" A VOz das Vitimas"de 25 de Abril de 2010 a 25 de Abril de 2011,no Aljube,em parceria com A Fundação Mári Soares e o Instituto de História Contemporanea.
-Edificação do Memorial às vitimas da PIDE/DGS na R.António Maria Cardoso,em Lisboa
-Elaboração de um roteiro sobre os locais da Resistencia em Lisboa
Será tb. assinado um protocolo com os Ministérios das Finanças e a CML para que esta assuma a propriedade do edificio da antiga Cadeia do Aljube com o objectivo de aí sediar o referido Museu.
Assinado:A direcção.

E prontos aí estão as ultimas que como de costume podem não ser as dce ultima hora.AB

Emiele disse...

Ele há coisas estranhas, assim a modos que do outro mundo...
Quando escrevi o comentário um pouco mais acima onde dizia que
nos 'Caminhos da Memória' vinha a notícia mais completa, o link que deixei levava directo à notícia. Agora desapareceu, mas o que lá vinha era exactamente, o que AB deixou ali transcrito.
Portanto retiro o modo como terminei («podem passar por lá») porque não vale a pena passar por lá, mas devem ler o segundo comentário da AB.

josé palmeiro disse...

Por absoluto descuido, saltei este importantíssimo escrito que, como está bem explícito já tem os comentários e actualizações quase ao segundo, o contrário da Assembleia da República que acabo de ver a tentar votar electrónicamente as propostas de criminilização do enriquecimento ilícito.
Quanto ao teor do escrito, devo dizer que apesar do rebuçado, não nos devemos resignar com o que aconteceu na A.M.C.. Bem lembrado o que disse o FJ e concordo com a Kika, quanto ao dormir num hotel de charme com aqueles antecedentes!!!

Emiele disse...

Por acaso, Zé palmeiro, reconheço que estranhei quando passei por aqui à tarde ver que não tinhas dito nada. estava convencida que era uma notícia que te interessaria...
No edifício da António Maria Cardoso vai ficar uma placa, pelo que sei. Basta a placa para «estragar a festa» um bocado. Como vocês dizem, quem tenha sensibilidade não se deve sentir muito feliz a viver num local, como disse a Kila, com tão más energias!