segunda-feira, março 16, 2009

Fraldas “reutilizáveis”

A base da história é um fait-divers sem interesse. A tal americana que teve 8 gémeos, foi convidada para protagonista de um filme pornográfico. Estava-se a ver que aquilo ia acabar mais ou menos assim.
Acontece que uma empresa concorrente (ihihihi), decidiu oferecer-lhe
o fornecimento, durante um ano, de fraldas para os seus oito gémeos, mas fraldas reutilizáveis.
Primeiro, tenho de achar graça, ao «reutilizável» para chamar à banalíssima fralda de pano. Muito mais chic!
Bom, percebi que não é exactamente a mesma coisa que os meninos há 30 anos usavam, agora parece que se põe um papel entre o pano e o rabinho do bebé e portanto a fralda fica menos suja…
E, se calhar, pode lavar-se na máquina, e as antigas fraldas cheias de cocó tinham sempre de ficar de molho para sair primeiro a porcaria.
Contudo lembro-me que era uma das operações mais chatinhas, essa coisa da lavagem das fraldas de pano, perdão, reutilizáveis.
Segundo, imagino bem como a dama dos 8 gémeos mandou logo dar uma volta ao bilhar grande ao autor de tal proposta. Imagina-se o que seja lavar as fraldas de 8 bebés?!!!!


7 comentários:

King disse...

Mas então não são «reutilizáveis»?
é isso. Vamos passar a chamar assim a tudo. Os guardanapos de pano são «reutilizáveis». Aliás os lenços também. Os pratos e talheres de pic-nic podem passar a ser «reutilizáveis» em vez desses de deitar fóra. Etc...

Mas olha que as fraldas foi uma grande melhoria. Aquilo de que me lembro é que era uma chatice das grandes! E pelo menos, estas «reutilizáveis» não precisam de se usar um alfinete, que era o que me impedia de por uma fralda ao meu filho. Livra!!!

sem-nick disse...

E há muito mais «reutilizáveis».
Podíamos fazer um concurso a ver quem se lembrava de mais. Por exemplo as toalhas. A quantidade de papel e cartão (ou plástico) que se gasta com essa coisa de 'use e deite fóra' é espantosa.
Mas, aqui para nós, se há coisa que se justifique é nas fraldas... A não ser com essa ideia do papel entre a fralda propriamente dita e o... dejecto.

AB disse...

Bom,espero que não levem isso a extremos ,enfim...Uma amiga minha,mádica ginecologista falou-me há tempos de reutilizações que me deixaram varada.E a ela tabém evidentemente.AB

kika disse...

Essa senhora ao recusar tal oferta está a contribuir fortemente para a poluição.Talvez lhe devesse ser aplicada uma taxa, lá pelo municipio do sitio. São oito fraldas vezes nao sei quantas, por dia. Devia ter mais conciencia ecológica e aceitar tão boa oferta

josé palmeiro disse...

Nos meus filhos, três, todos eles usara fraldas de pano.
É incómodo, sim mas lidar com fraldas, quer de umas, quer de outras, sempre é desagradável. Nunca me fez muita confusão e sempre lidámos bem com o assunto. Agora, com os netos já a música foi outra e aí as descartáveis tomaram a dianteira. As "vidas", também são diferentes e o corre corre, é mais evidente. Do ponto de vista ecológico se por um lado obriga a consumir mais papel, por outro lado poupa-se na água, pois gasta-se menos em lavagens de fraldas. Há que contabilizar bem estes parâmetros para ter uma ideia aproximada da realidade.

Mary disse...

[Acho que sei do que falas AB. (por teres falado em ginecologista) Essa é tão espantosa quase é como falarem em acabar com o papel higiénico! Também fiquei de boca aberta quando ouvi.]

Mas passando às ditas fraldas, dizem que as de papel depois não se podem reciclar e é um enorme transtorno para a natureza. Contudo, como diz o Zé, parece a história do «oh Zé compõe-te!» porque se tapa por um lado destapa pelo outro com o tal gasto de água...
Mas, por aquilo que se consegue ver as ditas fraldas de pano reutilizáveis são as tetranetas das velhinhas que eram um quadrado de pano. Estas afinal parecem umas cuequinhas, almofadadas (?!) e que prendem com velcro. Coisa fina!!!!

Emiele disse...

Eu só digo que também entendo a tal mãe dos oito gémeos, porque me lembro de que tive só um e num dia aquilo eram 4, 5, 6 fraldas. Se multiplicarmos por 8... seriam dúzias. Tadita. Não parava de manhã à noite.

Mas claro que a ideia fantástica de querer ter muitos filhos estava também a 'pedi-las'!