sábado, janeiro 03, 2009

Poesia












Mínimo sou,

Mas quando ao Nada empresto
A minha elementar realidade,
O Nada é só o resto.


Reinaldo Ferreira
1922/1959

15 comentários:

Emiele disse...

Não é a primeira vez que deixo aqui poemas deste poeta, hoje muito esquecido e que morreu tão novo e tão depressa...
Já aqui escrevi em tempos um post com um dos seus mais famosos, que volto a repetir para relembrar (atenção, ainda não tinha começado a guerra colonial!)

Receita para fazer um Herói

Tome-se um homem,
Feito de nada, como nós,
E em tamanho natural.
Embeba-se-lhe a carne,
Lentamente,
Duma certeza aguda, irracional,
Intensa como o ódio ou como a fome.
Depois, perto do fim,
Agite-se um pendão,
E toque-se um clarim.

Serve-se morto.

kika disse...

Tão profundo ...
mas a Receita para fazer um Herói...
Gostei deste momento, que é teu habito ao fim de semana.
É bom

king disse...

Pela «história da minha vida» até conhecia o poeta.
O que se calhar pouca gente saiba, é que durante a sua vida ficou mais conhecido por ter escrito a letra do «Uma casa portuguesa» do que por os excelentes versos que concebeu e só viram a luz depois de ele ter morrido.

Emiele disse...

Já agora, como complemento, este Reinaldo Ferreira era filho de outro Reinaldo Ferreira, jornalista, o famoso «Repórter X»...

Mary disse...

Também o acho um excelente poeta, e é impressionante como o pai morre com 35 anos e ele morre com 37.
Um karma?!!!!

josé palmeiro disse...

A sorte que nós temosde ter POETAS, assim!
Excelente as tuas "notas", sobre ele e sobre o pai, bem acrescentadas pela Mary.

Palmeiro disse...

O Pai, o velho Repórter X, imortalizado pelo cinema de José Nascimento, corria o ano de 1987. Quanto aos poemas, sobejam de vitalidade e sabedoria.

fj disse...

É uma otima ideia relembrar este poeta, que julgava de origem moçambicana.Mas quem realmente escreveu a letra da casa portugiesa, pai ou filho?

Emiele disse...

O filho, FJ. O pai morreu em 1935, muito novo, com 37 anos também (desculpa Mary, mas se nasceu em 1897 e morreu 1935 foi mesmo com 37 ou 38 anos... o que reforça a coincidência)
A «Casa Portuguesa» foi escrita em 1950 teria ele uns 28 anos e já vivia em Lourenço Marques... E muita gente achava graça porque ele escreveu aquilo a brincar e foi um êxito muito maior do que poemas a sério que já tinha escrito na altura e dos que escreveu depois!

Emiele disse...

Palmeiro Júnior, tu que és o especialista de cinema, também sabes que para além do filme que citaste, o próprio «Reporter X» também realizou filmes ele próprio! Devia ser um homem fascinante.
Dizem que "Morrem cedo aqueles que os deuses amam..."

estrela-do-mar disse...

A poesia do post quase parece do Fernando Pessoa (e isto pretende ser um elogio, mesmo que não pareça)
......
De resto vocês sabem tanto que até fico de cara à banda!... Não sabia nadinha disto. Mesmo nadinha!!!!

kika disse...

Estrela-do-mar desculpa lá, mas a internet tb serve para pesquisar. É
fácil

estrela-do-mar disse...

Oh Kika.......
:))))
............
Olha, nem levo a mal o teu 'conselho', porque não devia ser exactamente isso que querias dizer.
Deves calcular bem que costumo procurar e encontrar coisas na net. Muitas até. E também sei procurar em documentos em papel. Em livros, histórias da literatura por exemplo.
E neste caso brinquei um pouco quando escrevi «vocês sabem tanto» etc, etc, porque se queres saber nem me senti assim tão sozinha na minha ignorância uma vez que outros comentadores aqui também tiveram dúvidas.
Entendido?...

Palmeiro disse...

É verdade, Emiéle, tinha umas luzes mas não estava muito a par. Parecem, além do mais, coisas espirituosas e com um estilo narrativo peculiar. Foi, não duvido, um ser de excepção.

kika disse...

Estrela-do-mar, voltei aqui apenas para te dizer que interpretas-te muito bem o que eu queria dizer...na escrita falha expressão facial que diz tanta coisa, e que só os génios literários conseguem transmitir, por palavras.Jamais ofenderia alguem intencionalmente e quanto ao poeta em causa não conheçia nem estou procupada com isso já que poesia não faz parte das minhas preferencias literarias embora por vezes me toque a alma.Sendo assim
desculpa