quarta-feira, dezembro 10, 2008

Há muitos natais


Como todos nós, eu recebo vários emails a pedir isto e aquilo.
Uma criancinha doente, uma família em risco de despejo, precisa-se de sangue, precisa-se de apoio para mil e uma coisas. Sei por experiência própria que na maioria dos casos são emails falsos. Já por mais de uma vez tentei ir à origem e confirmei que nada daquilo era verdade. Portanto sou muito desconfiada e na maioria dos casos apago sem grandes escrúpulos.
Contudo recebi há dias um, de duas amigas diferentes mas com a mesma origem, e tanto quanto consegui saber, isto é certo.
Vejam aqui a carta toda
Resumindo, há alturas do ano em que damos a volta às gavetas e encontramos várias coisas que não vestimos – ou porque estão grandes, ou apertadas, ou completamente fora de moda, ou até porque já não gostamos daquilo. Eu tenho sempre escrúpulos em deitar mesmo fóra... Acabo por os deitar nuns contentores que existem e «recebem roupa usada» dizem que para beneficência. E fico com algumas dúvidas que caminho aquilo leva, mas enfim...
Ora o pedido que podem ler no documento que linkei, é para os desgraçados que vivem no Pisão. Já viver no Pisão, é coisa que não desejo a ninguém. Mas ainda por cima andar por lá esfarrapado e a tremer de frio...!?!
Leiam a carta e se puderem enviem para lá aquilo que puderem ceder. Quem viver longe será melhor mandar por correio, telefonem para o número e perguntem qual a melhor maneira.
E já agora, que não seja só no Natal!


12 comentários:

king disse...

Emiéle, este é o tipo de post que não costumas escrever e portanto acaba por ter mais efeito.
Eu sou dos que apaga 90% das coisas deste tipo que recebo porque sei que são «conversa». Mas clicando na carta (temos de a aumentar porque ao abrir a primeira vez a letra é muito pequenina) sem dúvida que se fica com um aperto no estômago.
Na minha casa já se deitam mesmo coisas fora porque nem a mulher a dias quer - prefere comprar novo numa loja dos chineses... Vou ver o que se arranja.

Emiele disse...

É chocante, sim.
Falei com uma das pessoas que me enviou o mail e confirmei (só não telefonei para lá ainda)
Também estou como tu, King, as pessoas a que dantes oferecia peças de roupa que já não me serviam, hoje em dia não as aceitam. Por isso descobri esses contentores, mas parece-me que este caso é mais importante porque esses contentores não faço ideia de como são geridos.

Mary disse...

Devia ter começado debaixo para cima. Tinha lido este primeiro e acabava com os posts levezinhos.
Burra.
Agora fico como o King com um murro no estômago.
Vou passar palavra.
Gaita, 350 pessoas não havemos de as poder agasalhar?!

AB disse...

Bem essa do Pisão é onde mora uma nossa amiga comum...calculo que ela não venha aqui.Nós aqui no bairro temos uma recolha que passa em dia marcado.AB

josé palmeiro disse...

Dizer que fiquei chocado, é pouco, demasiadamente pouco.
Será que os Vieiras da Silva e os Sócrates, deste país, desconhecem a situação? Não acredito!
De resto, estou como voçês, no que respeita ao que fazer, das milhentas coisas que estão para deitar fora, por desuso, mas que se não sabe o que fazer, pois já ninguém as quer. O mal é apanhares-me agora nos Açores, mas vou tentar que a minha filha separe umas quantas coisas e faça o envio ou se assim não puder ser, aguardar, para quando voltar, e fazer o envio do que houver, até porque como dizes, o Natal é todos os dias.

sem-nick disse...

E também para isto serve um blog.
Boa malha a tua. Este post vale mais do que um FW.

Emiele disse...

O que eu aqui quis deixar bem claro, é que segundo aquela carta, durante todo o ano há ali carências.
Portanto agora faz-nos muita impressão por causa do frio e será bom enviar-se mantas, agasalhos, etc, mas a nível de meias, cuecas, sapatos, podemos mandar durante todo o ano.

AB disse...

Mea culpa.Na ansia de ler a carta toda saltei o principio e pensei ser outro o Pisão.(Pisão terra)As minhas desculpas.AB

estrela-do-mar disse...

A «gerência» pelo que sei é da Misericórdia de Cascais, pelo que aquilo que diz o Palmeiro tem razão de ser. As Misericórdias são IPSS, ou seja estão integradas ou são tuteladas, melhor dizendo. pelo Vieira da Silva. Há obrigação pelo menos moral de estar de olho no que se passa...
Deixa-me ver se consigo o link.
Achei. É ESTE.
Mas aqui as coisas estão 'bonitas'. Nada como a carta nos diz.

Emiele disse...

AB, eu entendi. A gente, felizmente não conhece ninguém que esteja «neste» Pisão, assim uma espécie da Mitra de antigamente mas lá para a zona de Cascais...
Obrigada Estrela-do-mar pelo link. Assim é mais correcto e fácil. mas como dizes aquilo foi escrito num outro estilo.

kika disse...

Sem comentários... tomei nota do tf e vou ligar , felizmente até veio a proposito, pois nao gosto de deitar nada ao lixo e vou dando a instituições , e ando a encher neste momento um saco, com roupa de cama e outras de vestir.Vou ligar e perguntar qual a melhor forma de lhes fazer chegar e divulgar.Bem hajas por fazer chegar isto

Mónica disse...

Andava eu a recolher alguma informação sobre o Pisão e deparo-me com este post. Já estava um pouco reticiente quando me disseram o que por lá se passava e agora que sei mais um pouco torna-se quase doloroso ter de pensar que passarei lá parte do segundo semestre, pois torno-me muito emocional quando toca a este tipo de assuntos. Ter de pensar que entrevistarei parte destas pessoas leva-me quase ás lágrimas, pois não consigo imaginar a dor que devem sentir permanentemente. Falarei com todos os meus colegas acerca deste post e concerteza que todos ajudaram...somos cerca de 40 alunos, logo, já será uma grande ajuda!