terça-feira, dezembro 23, 2008

Esta é boa!

Desde que soubemos que a Igreja tinha escolhido este bispo para Papa, viu-se de imediato que ela faria uma viragem para os seus valores mais conservadores.
Nada de novo.
Até aqui tem correspondido ao que se esperava dele.

Mas, na minha posição de agnóstica, e mesmo não gostando de me ‘meter’ com quem admira este senhor tive de sorrir ao ler que ele declara que «salvar a humanidade de comportamentos homossexuais ou transexuais é tão importante como salvar as florestas tropicais da destruição»

E vai mais longe, inspirado, afirma que é preciso uma espécie de ecologia do Homem .
É que a espécie assim desaparece.

Creio que, se interpreto bem, essa questão da ‘espécie desaparecer’ é porque o sexo entre homossexuais não serve para procriar.
Isto dito por alguém que fez o tal voto de castidade portanto supõe-se que não vá procriar, e dirige milhares (milhões?) de outros homens e mulheres que também fizeram o tal voto é coisa para se pensar.
É lógico?
Não pretende ser, pois não? Pretende só influenciar algumas mentes mais frágeis com um sofisma descarado.

9 comentários:

ilha_man disse...

É católico quem quer e ele fala para eles!!
A Igreja tem as suas crenças e convicções acerca da homossexualidade e não as vai mudar por uma questão de moda.
O que é grave é o Estado, cujo DEVER é assegurar a igualdade entre todos, não permitir o casamento, ou união legal ou o raio que lhe quiserem chamar, entre pessoas do mesmo sexo.

king disse...

Ilha_man até tens razão em parte, mas cá para mim só em parte.
Claro que só é católico quem quer. Completamente de acordo.
E também é claro que 'teoricamente' o Papa fala para os seus crentes.
Mas, por um lado as suas mensagens são obviamente muito mais abrangentes do que o grupo dos católicos praticantes, ele tem uma enormíssima responsabilidade quando fala. por outro lado, o argumento é de facto sofistico como aqui lembra a Emiéle. A comunidade gay não é assim tão grande como isso, ela lembra que se calhar maior é o grupo de pares, frades e freiras e o facto de eles não poderem casar não é uma catástrofe 'ecológica'...

Quanto aos Estados, isso brada aos céus! Que haja terras onde ainda se castiga com a pena de morte quem tenha uma outra opção sexual, é coisa pavorosa.

RS disse...

Desta vez encontrei o tema em muitos blogs.
De facto se pretende chamar a atenção sobre si, foi bem sucedido!!!!!

Tem muita graça, compara o modo como estes diversos blogs que visitei falam no caso. Podia fazer-se uma análise da personalidade dos bloggers por a abordagem escolhida.

kika disse...

O raio que lhe queiram chamar como diz o ilha-man, tudo bem. Casamento não ! Não tenho nada contra a homossexualidade, mas deixo isso para os outros, nao gostaria que essas opçoes caissem na minha familia.Muitas outras coisas eu não gosto e tenho que as aceitar é só mais uma As mensagens não se dirigem só aos católicos claro, mas a hipocrisia é tanta nesta area , que o tema para vesperas de Natal não me cai muito bem.Vivam e deixem viver em Paz

josé palmeiro disse...

As coisas ligadas à religião, às igrejas e sobretudo a este papa, passam-me completamente ao lado.
Não enfio a cabeça na areia, mas não lhe ligo, não me ligo.
No entanto a reflexão do King e o escrito da Emiéle, têm toda a razão de ser.

sem-nick disse...

Também tinha reparado que esta boutade tinha sido apanhada por diversos blogs. E cada um comenta à sua maneira, como é de esperar tu apanhaste a coisa muito bem.

É que o Papa não é um «opinion maker» qualquer!

pedro tarquínio disse...

é caso para se dizer: o rei vai nu.

Emiele disse...

Claro que quer o Ilha_man quer o King têm razão. É das tais coisas, também se diz que alguns programas da TV só os vê quer quer, é fácil mudar de canal... mas a gente tem a nossa opinião.
Por isso achei curioso que o argumento invocado fosse esse, o de diminuição da natalidade...

Mas obviamente que os Governos e nos países onde tal é punido de um modo horroroso tem uma responsabilidade acrescida.

Joaninha disse...

Até acho que aqui a 'chamada de atenção' do Pópulo foi das mais sérias. Os outros gozaram mais!