sexta-feira, janeiro 15, 2010

O que é um estágio?

Li no jornal de ontem que o Governo aprova nova versão do programa de estágios, destinado a quem não recebe subsídio. E explica: «a medida é destinada a uma parte dos mais de 170 mil desempregados que não têm acesso ao subsídio».
Cada vez mais os meandros da nossa política económica me parece um jogo de palavras cruzadas, dar-se diversos sentidos ás mesmas antigas palavras.
Fui consultar o dicionário, na palavra Estágio e encontrei a definição:
1. Tempo de tirocínio ou aprendizado de certas profissões, como a de advogado ou médico.
2. Período durante o qual uma pessoa ou um grupo exerce uma actividade temporária com vista à sua formação ou aperfeiçoamento profissional.
Pois é.
Era essa também a minha ideia. Chamava-se «estágio» o tempo em que após uma formação teórica o futuro profissional exercia a prática sob a supervisão de alguém mais experiente. E isso tinha, como seria natural, uma lógica e um tempo determinado.
Mas não agora.
Pelos vistos, há uma grande crise económica e um número crescente de desempregados. Não se consegue pagar-se-lhe um subsídio. Então, põem-se a trabalhar em qualquer coisa mas dá-se o nome de ‘estágio’ não ‘trabalho’ porque chamar-lhe tal é perigoso. Não me parece que seja para fazer uma grande lógica que muitos desses ‘estagiários’ já tenham uma colecção interessante de outros estágios, por vezes 4 ou 5 ou mesmo mais, em áreas parecidas ou, que o não seja, isso tanto faz.
Dentro de pouco tampo poderemos ouvir a resposta:
-Tu, o que fazes na vida?
-Eu sou ‘estagiário’ de profissão.


15 comentários:

fj disse...

Post "frio" e racional aparentemente
irrespondivel.mas temos que ver bem o que sai.Claro que as implicações passarão pela publicidade e estatistica.
Decorre agora um abaixo assinado sobre o assunto, terá pelo menos a vantagem de mexer no assunto, velho escândalo na politica social portuguesa embora, ingénuamente, acredite que pessoas e instituições reputadas, ignorem a realidade.Ou que prefiram pronunciar-se sobre politica sexual, mais mediática,"popular", e, fundamentalmente afastativa de maus pensamentos. Leia-se a doutrina social da igreja, e ouça-se o silêncio social da igreja ( sem prejuizo de atividades pontuais importantes), a título de exemplo.

sem-nick disse...

Muito bem visto.
Até parece que por se mudar o nome às coisas se muda a essência.
Eu entendo que o nome «estágio» é sugestivo de um futuro, e deve ser por isso que é usado, mas... Qual futuro?

Como aqui chamas a atenção, fazem-se estágios sobre estágios, afinal para 'ensinar' o mesmo , aquilo que já se sabe.
É um eufemismo.

fj disse...

Bem visto, é realmente tambem uma paLavra de esperança, em geral enganosa, e entretatadora.

josé palmeiro disse...

Não quero nem devo passar em claro este assunto mas, perante o que já foi dito, só me resta concordar, quer com o FJ, quer com o Sem-Nik. Poderia esmiuçar mais umas quantas coisas mas só afirmo que tenho uma sobrinha que já vai no segundo "estágio" no mesmo emprego, mas darem-lhe o emprego que merece, porque competente e já estagiada, isso não!
Também haverá que ter em consideração a idade para os estágios, quando for ultrapassada, será o DESEMPREGO!
À vossa consideração.

King disse...

O que se sente com estas 'habilidades' com os nomes é uma ponta de cinismo. Porque como disseste no post citando a definição do dicionário, é bom e importante que depois de se receber uma formação um tanto teórica, se passe a um outro grau onde se vai praticar o que se aprendeu, e isso é um estágio.
Mas, todos nós conhecemos pessoas que fazem 'estágios' atrás de 'estágios' onde não estão a aprender nada de novo. Claro que estão a treinar. mas isso, mesmo um trabalhador ao fim de 30 anos de experiência vai aperfeiçoando os conhecimentos e 'estagiando'...
Novos nomes precisam-se!

King disse...

Só +ara acentuar o que disse o sem-nick: não deve ser por acaso que se lhe chama 'estágio', porque a verdade é que antes de se começar a trabalhar a sério passa-se por um estágio,portanto enquanto se está nesse limbo ainda existe a esperança de que no final venha o famoso contrato.

kika disse...

Malabarismos, que entretêm uns não sei quantos, fomentados por um Desgoverno sem rumo!

silvya disse...

Pois é, pois é. Agora resta saber se é "estágio" ou "estado". Sim, vejam se me conseguem entender... tal como o Zé P, todos, eu incluída, temos pessoas de família, amigos, conhecidos que se licenciaram com óptimas notas, e no entanto não conseguem o emprego para o qual estudaram. Depois são os estágios, atrás de estágios, sem remuneração na maior parte das vezes.É a tal sociedade justa que temos.E não me venham dizer que o estado não tem responsabilidades...
daí eu perguntar se isto de estágio = aprender,praticar, aperfeiçoar, não se estará a transformar para mal dos meus/nossos pecados, num estado. E geral pelo vistos.
Nas grandes e pequenas empresas (não posso deixar de rir, peço desculpa, mas as eleições ainda estão muito vivas na minha memória), colocam malta licenciada a fazer trabalho qualificado, com baixo pagamento e direitos 0 (zero). E mesmo assim andam atrás deles, espiando e apontando tudo o que fazem...e não fazem!
É uma escravatura. E... oh! FJ, desculpa-me lá, mas não acredito que sejas tão ingénuo, que penses que o poder, e os seus altos quadros ou dirigentes não saibam o que se passa. Afinal em que mundo vives tu? Quanto ao debruçarem-se sobre as politicas sexuais, de cada um, é a chamada "manobra de diversão"
Enquanto se discute ninharias, pois, cada um tem direito a amar e a casar com quem quiser, não se discute o que realmente interessa.
Tenho mais uma vez de confessar, que és uma pessoa que me intriga...
Quanto a igreja, acho que todos sabem porque não se pronuncia...tanto.
Não foram eles que inventaram as maiores atrocidades à conta do nome de Deus?
Isto sem atingir católicos, ou não. Ateus, maometanos,budistas ou que quer que seja. Aliás sendo o Vaticano um Estado,com grandes poderes económicos não deveriam eles fazer algo, ou muito mesmo para minorar o mal do Mundo?
Eu acho que sim...mas eles acham que não...
Eu por exemplo, vou mantendo o meu "emprego", que é trabalho, muito chato, mal remunerado, mas...enfim . Antes este do que nada. E vou estagiando cá mesmo, na medida que estou sempre a aprender a fazer novas coisas, sendo paga a um preço vergonhoso.
a todos desejo um belo fim de semana
silvya
ps: de preferência com sol

A Senhora disse...

Aqui, quem é estagiário em alguma profissão, logo se entitula de "escragiário", uma mistura de escravo com estagiário, uma vez que pouco coisa faz da profissão propriamente dita, mas faz de absolutamente tudo das outras. Um estagiário em marketing é capaz de fazer todo o serviço próprio da área, além de serviços externos bancários, serviço de limpeza esporadicamente e servir como piada dos outros profissionais, uma vez que todos eles passaram por esta fase e neste momento vingam-se (na pessoa errada, evidentemente).

Assim, essa idéia aqui talvez não pegasse, a menos que mudasse o nome. ;)

bjs

Emiele disse...

Senhora, essa do escragiário está bem vista e creio que poderia ser adaptada cá em muitos lugares...
No caso que me levou a escrever o post, é a revolta que dá, haver rapazes e raparigas, que andam ANOS a passar de estágio para estágio, dando-lhe esse nome mas sendo apenas um modo de se ter mão de obra barata ou até grátis.

Joaninha disse...

Venho sublinhar a expressão que usou o fj ouça-se o silêncio social da igreja
Nem é preciso dizer muito mais...
E o que faz alguma (só alguma?...) impressão é sentir que cada vez mais vivemos em dois países divididos. Porque a verdade é que há mesmo rapazes e raparigas que tiram a sua formação, fazem o seu estágio, e começam a trabalhar muito normalmente na firma da família!!! Já tenho ouvido pessoas que nem entendem de que é que se está a falar...

Joaninha disse...

Aliás esses jovens de boas famílias até vão mais longe porque depois da formação feita, acham que isto cá não vale nada, e rumam para a Inglaterra, para os EUA, ou para qualquer país que dê as tais oportunidade.
Não conhecem nenhum caso?

silvya disse...

olá joaninha.
por acaso todos conhecemos, nem que seja pela informação. A família Belmiri Azevedo orgulha-se de empregar todos os seus membros, a começar por baixo...mas por baixo do quê?
uma coisa, é o que les dizem outras o que eles fazem.
e é verdade, rumam a poutros países, sim. inglaterra é um deles.
e a senhora tem muita razão . e não vai muito longe daquilo que sinto. aliás do que nós sentimos.
bom fim-de-semana
silvya

fj disse...

È estado é, vamos ver qual será o seguinte.Pode ser o desemprego, podem ser coisas ainda mais complicadas.Para silvya :não me passou pela cabeça que não saibam, ás vezes acho é que devo conter-me ( há muito que defendo que esta forma de exploração baseada na precaridade, baixos ou nenhuns salários, desemprego e i/e migração dispensa formas de repressão aparentemente mais violentas e espectaculares -duvaliers e tom tom macutes no haiti, p-ex.-,a insegurança e o medo podem MAIS com menos...Tambem não queria trazer para aqui o fator deus, embora me pareça que os monoteistas ainda são os piores ).As questões de politica sexual, por mais sérias que sejam, em partidos como o ps português parecem-me manobras de diversão, para mostrar que são de "esquerda", quando o não são no essencial, económico e social e aproveitando a boleia da história, permitindo aos psds mostrar que são de direita e defensores dos tais "valores", entendendo-se depois no tal essencial ( se o for, claro, não se pode menosprezar os outros aspetos, mas julgo que o poder ainda é o principal). A tudo isto queria poupar-vos.

fj disse...

S: creio que só o chile ensaiou os dois métodos ao mesmo tempo, daí o especial carinho que lhe dedicamos.

ZP: é mesmo isso o descentramento.