quarta-feira, outubro 14, 2009

Estudos...

Volta não volta (se calhar aí uma vez por mês) chamo aqui a atenção para um 'estudo', de entre a enorme variedade e quantidade que todos os dias chegam aos nossos olhos e ouvidos.
Ontem à noite depois de ter “folheado” os jornais on-line que costumo ver, dei uma espreitadela a notícias da BBC, e assim de uma assentada esbarrei logo com 4 (quatro!) estudos. Aliás os próprios títulos das notícias terminavam esclarecendo «diz o estudo» ainda assim não nos passasse pela cabeça que era uma gracinha do jornalista. É que os quatro estudos são um tanto humorísticos, ou seja, é de ficar de boca aberta como diabo foram estudar tais coisas...

1º - Mulheres com inteligência emocional têm mais orgasmos Tal qual! Diz o estudo. É claro que quem se sujeitou a entrar nesse estudo, cof, cof, terá decerto uma boa inteligência emocional, é claro. O próprio estudo analisa esse ponto. Mas se o importante é a «a habilidade delas para comunicar suas expectativas e desejos sexuais ao parceiro» parece que, nesse aspecto, a capacidade do parceiro para as ouvir também será importante para o fim em vista.
Para as mulheres os homens engraçados são mais inteligentes Certo. Quem avaliou? (se calhar estão a referir-se aos investigadores do 'estudo' anterior) E quem achou graça a quem? O sentido de humor é uma qualidade fabulosa, mas falta um pouco ver qual a qualidade do dito humor. Eles, explicam bem: «não é "qualquer piada" que funciona com as mulheres». É que há engraçadinhos execráveis, não?
As crianças podem acabar com dor de barriga usando imaginação Esta é excelente. E já agora podiam ensinar aos crescidos. Isto se tiverem imaginação suficiente para «se imaginarem a flutuar nas nuvens» quando se está cheio de dor de barriga. Dizem que sai mais barato do que um analgésico e não custa a crer.
As pessoas ficam mais felizes quando envelhecem Atenção, falam lá no estudo de pessoas com mais de 90 anos, e não há lá grande cópia desses, creio eu... E ficam mais felizes «apesar de preocupações com saúde, dinheiro, mudanças de classe social» dizem eles, os do estudo.
Não há como estes estudos para contaminar a crença que ainda poderíamos ter noutros, bem mais mais convincentes.


19 comentários:

josé palmeiro disse...

Bom dia, a todos!
Será que o pessoal que se dedica a esses estudos, alguma vez viveu?
Alguma vez contactou com a realidade do quotidiano?
Parece-me que não, pois caso afirmativo, esses "estudos", dariam resultados muito diferenciados.

josé palmeiro disse...

Isto de voltar a ser o primeiro, tem que se lhe diga!!!

A Senhora disse...

Eu li e reli o post e fiquei imaginando em quais destes estudos eu gostaria de participar. :)
O da dor de barriga é evidentemente uma boa enrolação - o meu menino mais velho sofreu disso um bom tempo ate que descobrissem o que era, e não havia imaginação que o arrancassem das dores.
Quanto ao rest... ainda estou me divertindo! Aliás, me decidindo! :)) Ninguém faz nada às 5h25...

bjs

Emiele disse...

Viva!!
E eu que também ando por perto, dei logo por esta entrada... Realmente há tempos que não eras o primeiro, heim?... :)
Eu tenho uma teoria quanto a alguns destes estudos: são "trabalhos práticos" para estudantes desta área. Têm de inventar alguma coisa, não é?

Emiele disse...

Olha a Senhora!!!
Tão cedinho, hoje? Ou será tarde, aí?

AB disse...

Bem,com estudos ou sem estudos hoje é dos tais dias em "que não me dá"...AB

Joaninha disse...

Percebo a AB. Nem todos os temas (posts?) são igualmente interessantes, é evidente. Hoje é mais para sorrir, mas não puxa tanto ao comentário.
Mas lá que dá para sorrir, isso dá.

King disse...

A tua descoberta que deixaste no comentário é capaz de ter fundamento, Emiéle. Se calhar é mesmo isso, uma espécie de "trabalhos de grupo" d jovens que não sabem o que hão-de inventar. E depois cai na imprensa.

King disse...

(olha, entrei ao mesmo tempo que a Joaninha! Nem a tinha visto, quando escrevi. É natural que os temas não tenham sempre a mesma graça, mas eu gosto de passar por aqui!)

estrela-do-mar disse...

Eu gostei mais dos dois primeiro!
lol!
:)

Anónimo disse...

Um bom blogger deve agradar a gregos e troianos.
Eu, por exemplo, acho que de vez em quanto o Pópulo fica politizado demais...
E achei muita graça a este post, chama a atenção para que afinal se podem ler na mesma página (mais ou menos) 4 pretensos estudos sobre temas de cárácácá.
Mas ao menos não falam na Maitê Proença, que já não posso ouvir mais conversa. E abaixo-assinado???! Tenham dó!

kika disse...

Corroboro com o 1º comentário da Emiele.
Talvez até para dar uma ocupação aos licenciados desempregados,pois à priori, não me parecem de qualquer utilidade.
Obrigada Maria pelo seu cuidado, mas para alem da "reflexão" que disse que ia fazer, a verdade é que não tenho andado muito bem,e espero que seja passageiro.

Emiele disse...

Também o espero Kika. Dei pela tua ausência mas pensei que eram apenas afazeres. Que maçada ser afinal também por esse motivo.
Amigo anónimo das 10 e 17, eu tento um pouco agradar a gregos e troiano, de facto. E ir alternando uns posts mais pessoais com outros de outro estilo.
Senhora, só agora vi bem o que escreveste, então 5 e tal da manhã?... Livra!

Mary disse...

Que pachorra, heim?!
:)
Mas a vossa hipótese, de "trabalhos de grupo" de estudantes não está mal visto.É que há cada um mais pateta! O 1º, por exemplo...

AB disse...

O meu "tem dias" não tem a ver com a natureza dos posts tem a ver com a minha natureza.AB

ZORRO disse...

:)
Tem a sua piada, e dá para desenjoar de eleições etc e tal. Ao menos fala-se de coisas de assim, ocas.

O 'anónimo' falou no caso Maitê Proença e para ser franco já estou com isso pelos cabelos. Por um lado ainda bem que não abordaste a coisa aqui. Que aquilo foi uma parvoíce, é um facto. Que esteja a ter tal divulgação parece-me idiota! A mulher estava num dia desinspirado, até a imitação do sotaque foi desastrada, mas enfim...

Emiele disse...

Olha Zorro, realmente não me apeteceu dizer nada sobre isso, que também me parece que já tem conversa a mais – até um abaixo assinado e protesto diplomático, pelo que entendi. Parece que não há mesmo mais nada em que pensar. O futebol agora está fraquito (hoje não...) e portanto ‘inventam’ casos que nem o são.
Como se não estivéssemos fartinhos deste tipo de críticas de toda a gente e até nos costumamos por a jeito!
Até filmes. Lembram-se de um filme, cheio de «estrelas» chamado O Amor Acontece? Onde o Colin Firth tem um romance com uma pobre Lúcia Moniz que «faz» de portuguesa bonita e pateta? A cena da vinda de ele a Portugal é das mais patéticas que tenho visto quanto a estereótipos. Tirando a Lúcia, as mulheres são umas gordas morenas, de buço, ar desmazelado, e os homens de camisola interior com ar de atrasados mentais e tudo com um aspecto de 3º mundo do mais desagradável possivel.
E foi um êxito de bilheteira!!!

Maria disse...

Emiéle, embora tarde não quero deixar de comentar, até porque fiz o "trabalhinho de casa" - tenho noção que pode não querer dizer muito - até tenho quase a certeza de estar a falar para uma especialista - mas vou arriscar e colocar as minhas dúvidas quanto ao que a maioria achou do "assunto".
Não querendo "ser mais papista que o papa" mas, pelo "insólito" - que pareceu lendo as notícias dos 4 estudos - pensei que talvez estivessem fora do seu contexto e até "manipuladas" - o que alguns meios de comunicação fazem para resultar em maior "sensação" – como, aqui, já se tem falado.
Recolhi alguns dados dos 4 estudos, noutras “fontes” -algumas de origem e através do perfil de cada um dos responsáveis pelos respectivos estudos verifiquei tratar-se de pessoas que se dedicam há já alguns anos a esses "assuntos".
1 – Estudo apresentado em Abril deste ano na “ British Society of Psychology, anual conference” em Brighton -UK por Kristofor McCarty – este, feito por um grupo de estudantes universitários, mas, ainda assim, a tradução e os “cortes” da BBC Brasil tornam a “coisa” diferente do que me pareceu no original (?) http://www.bps.org.uk/ac2009/
2 - Andrea Burri - Psicologia clínica, epidemiologia Genética
Aqui -http://www.scribd.com/doc/15308943/Emotional-Intelligence-and-Its-Association-with-Orgasmic-Frequency-in-Women
3 - “ Miranda A. L. van Tilburg” - "The pain is very real," said Dr. Miranda A. L. van Tilburg, an assistant professor at the University of North Carolina at Chapel Hill and the lead researcher on the new study.
http://www.qualityhealth.com/news/guided-imagery-eases-kids-stomach-aches-16692
E aqui: “Center for Functional Gastrointestinal and Motility Disorders, University of North Carolina” http://pediatrics.aappublications.org/cgi/content/abstract/peds.2009-0028v1
4 - Laura L Carstensen, professora de Psicologia (alguns livros escritos sobre temas relacionados com “geriatria”) na “Universidade Stanford”, na Califórnia.
http://longevity1.stanford.edu/about/people/leadership/carstensen
O seu recente livro - “A Long Bright Future” – “An Action Plan for a Lifetime of Happiness, Health, and Financial Security” -Laura L. Carstensen Ph.D. August 6, 2009
“Professor Carstensen is known for her encyclopdic grasp of the human aging process. She teaches and inspire”
LChttp://www.amazon.com/Long-Bright-Future-Happiness-Financial/dp/0767930126#reader
(através deste link tem-se acesso à introdução ao livro)
A minha intenção seria, mas já é tarde, questionar mais uma vez a forma como os jornais transmitem as mensagens, no entanto a discussão dos estudos por tudo e por nada e muita sem “tarelo” - continua válida.
Será que sem "tarelo" só se usa cá nos Açores?:))

Emiele disse...

Maria, é certo que se formos à origem as coisas têm o seu fundamento, mas...
Quando li por alto estes artigos lá no site da BBC num caso ou noutro fui ler o que diziam com atenção mas na maioria dei-lhes uma leitura em diagonal. Claro que ao montarem a investigação teria as suas razões, mas a verdade é que o dali saiu foi insignificante ou estranho. Também tens razão quanto ao modo sensacionalista como por vezes os jornalistas escolhem os títulos, realçando a parte mais caricata. Mas o certo é que essa parte está lá :)