sábado, outubro 03, 2009

Chapéus (de chuva)

Encontrei por aí uma colecção de chapéus de chuva, objecto incómodo mas, temos de o reconhecer, muito útil. Qual de nós não bramou contra ele - quando o leva e o dia está glorioso, contra as previsões dos manda-chuva, e depois acaba por o esquecer nas costas de uma qualquer cadeira???
Por outro lado, todos vocês que me conhecem sabem que gosto de metáforas.
E o "clima" aqui dos nossos órgãos de soberania, parece ameaçar pelo menos chuva, se não até tempestade.
OK, nessa eventualidade aqui vai uma passagem de modelos de bons (ou pelo menos engraçados) chapéus de chuva.
Também «há muitos»!

11 comentários:

Maria disse...

eheh "chapéus há muitos" e estes, são o máximo!
O "mãos livres", a mim, daria muito jeito - ao perdê-lo, então, lá se iam muto mais que os 5 euros do vulgar chapéu:))

Emiele disse...

Maria, minha amiga, cá entrou o teu comentário (ao mesmo tempo que o post) apesar de o teres deixado a 30 de Setembro que foi quando ele entrou sem querer!!
:)
Ele há distracções!
E não é do chapéu!

sem-nick disse...

Os links de órgãos (em verde) e soberania (em vermelho) podem passar desapercebidos...
Está muito bem apanhado (até as cores escolhidas) mas olha que é uma gracinha para quem não tem pressa.
:)
De resto a escolha é óptima. Até aquele que fica em pá é uma boa solução. Muitas vezes não há mesmo0 onde o encostar!

Joaninha disse...

Também fiquei de olho naquele de mãos livres! Mas como raio é que se segura?... Parece-me mais sensato ter umas alças tipo mochila, não?
Mas para quem tem de andar de mala e sacos e pasta e o raio a sete, ainda ter uma mão para o chapéu é uma chatice!

Joaninha disse...

:)
Claro que a metáfora é evidente.
Quanto ao "órgão de soberania" verde, a verdade é que tudo indica que queria ir buscar lã e saiu tosquiado.
Leram o Miguel Sousa Tavares no Expresso?

Maria disse...

Eheh,Emiéle, agora, sim, achei graça - o espanto que eu fiz na altura e afinal o "gestor" do teu "blog" é muito inteligente e poupadinho - aproveitou o meu comentário - na altura fi-lo só ao "slide show" o teu texto ainda não tinha entrado mas, daquilo que reconheço em ti, pareceu-me uma "subtileza" muito oportuna daí eu ter avançado só com "chapéus há muitos" à cautela...:))
Ele há empatias!

sem-nick disse...

Voltei a 'reler-me' e fartei-me de "gralhar"!!!!!!
Bolas.
Só o que se passa é que eu tinha pressa, afinal :)

Quando disse que era uma gracinha para quem não tem pressa, era porque tinha de se clicar nos 2 links para ver o que querias dizer, e isso demora.
Depois disse «aquele que fica em pá» e claro que era PÉ que eu queria dizer, e falava do guarda-chuva, é evidente, apesar de também gostar de metáforas :)
E entrou um zero a seguir ao «mesmo», que não está lá a fazer nada.
As minhas desculpas pela precipitação.

Maria, então já tinhas visto este post?! Isso é que é pontaria!

Maria disse...

Joaninha, no meu 1º comentário falo no "mãos livres", com duplo sentido - na minha cabeça, como já disse acima, estes "chapéus", teriam, também, uma outra "leitura" agora confirmado com o texto da Emiéle, então fiquei-me( esta foi a minha leitura) pelo "valor da liberdade" a propósito de "mãos livres":))
Mas, tens toda a razão "este" para se segurar, assim, terá que ter uns pesos só de um lado, nada "sensato", como bem dizes - meio caminho andado para um grave problema de "coluna" - perda de verticalidade - então, neste caso, a minha alusão à liberdade, não faz qualquer sentido - é o que faz fazer leituras erradas:))

King disse...

este blog tem comentadores de se lhe tirar o chapéu!! (também faço a minha perninha com trocadilhos...)
:)
Maria, a tua interpretação, com «mãos livre» e «coluna vertebral» é formidável!
Realmente não convinha nadatermos demasiado peso quer de um lado quer do outro (sobretudo "do outro" cá para mim!)

(que falta faz o fj!)

Maria disse...

King, bem visto, estou de acordo contigo e mais - estes chapéus, para além de nos protegerem da chuva, dão "p'ró que der e vier" - haja malabarirismos... de linguagem, claro:))

Maria disse...

Ao "bem visto" referia-me aos "pesos" e sobretudo à localização dos mesmos - hoje,tirando os outros dias, acordei assim...ironizando até a minha própria vida:))