domingo, agosto 23, 2009

A fobia da gripá



Querem espaço, na praia, quando as toalhas na área mais agradável estão muito juntas?

E já experimentaram dar um espirro?

OK, digo-vos que é sensacional.

Aaaaaatchim!
Ainda o espirro não acabou e já o círculo de 10 ou 20 guarda-sois à nossa volta está em alerta máximo a olhar para nós.

Atchim?!
«Bem, o melhor é afastarmo-nos uns bons metros para longe», pensam eles!
E já está!


As fobias têm estas vantagens, agora é só cravar o chapéu na areia e estender a nossa toalha.

13 comentários:

josé palmeiro disse...

Para já um elogio: Adoro o grafismo de, "GRIPÁ", veio para ficar.
Como método para disfrutar de alguma privacidade, acho que não há melhor, bela estratégia!!!

Joaninha disse...

Eheheheh!!!

É mesmo uma fobia!
Nem há 60 anos quando a tuberculose era o que era e não havia tratamentos a não ser os sanatórios.

Muito bem visto (e parece que falas por experiência..)

sem-nick disse...

Olha que recordação Joaninha. Lembrou-me a Montanha Mágica. O mundo girou muito....

De resto é uma boa dica. Também imagino que com tanto medo, tudo salte ao ouvir um espirro!

mary disse...

Esta gente é doida (não são os romanos, afinal, são os portugueses!!!) ou 8 ou 80.
Ou não se toma nenhuma precaução com a ideia parva de que são «mariquices» ou entra-se em pânico como se fosse o fim do mundo.
Também já reparei.

Maria disse...

Emiéle essa do "espirro" para o "efeito" é muito bem pensada:))
Conto-vos um episódio passado nun centro de saúde, aqui próximo, tendo como testemunha/protagonista um jovem enfermeiro da família. Devido à grande afluência de utentes aos serviços deste centro, um certo dia por desconfiarem de haver alguém com probabilidade de estar com a "dita" nas imediações da sala de espera, o enfermeiro pediu às pessoas que se deslocassem para outra sala - nem passar, daqui ningém nos tira - disseram,então vai daí, ele, um rapaz muito habituado a situações que requerem decisões rápidas e eficazes (pois já tirou vários cursos, bombeiro,tudo o que tenha a ver com salvar vidas), veste bata (especial) calça luvas e põe máscara e apresenta-se assim na sala , há, meus amigos segundo ele e mais alguém que assistiu, foi "pernas para que te quero(?):)))

Maria disse...

Sorry, tem erros mas nada que não se entenda, penso eu...

A Senhora disse...

Do lado de cá é frio e é quando a gripinhÁ está chegando ao seu pico, quando as escolas começam as aulas. Sexta-feira teve reuniões de pais, e ao contrário de todas as outras reuniões, não foi em um lugar confortável, mas na quadra esportiva, beeeeeeeeeeeeem arejada. E aqueles moleques lá fora, pouco ligando para as recomendaçòes, abraçando-se de saudades pelas férias prolongadas e nós, pais, pedindo a Deus para que proteja essas crianças, porque não existe prevenção contra os seus abraços tõo espontâneos.

Sim, Mary, já foi a época que só os romanos eram uns neuróticos! :))

bjs

fj disse...

Em tempos usei a técnica do bin laden, util especialmente em cafés. Mas desaparecendo ele, não há dúvida que é pegar ou largar. Com o aproximar do 11-9 talvez ressuscite uns tempos.

eMe-a-eMe disse...

tal e qual.
no outro dia, estava na fila para comprar bilhetes para o cinema e a senhora á minha frente começou com um ataque de tosse tal, que me fez dar dois passos atrás, mesmo sem querer.
ela riu-se, olhou para mim, e disse: só me engasguei : )
eu ri-me também, mas a verdade é que andamos todos inquietos.

mary disse...

Ainda cá voltei e a Maria e a MeM vem reforçar o que dizes. Realmente anda por aí um pânico que é um claro exagero. As pessoas só ouvem os números dos que adoeceram, e não valorizam que 99% já estão curados!

Como eu disse, (ou o Axterix) 'ils sont fous ces portuguais'!!! :)

Castanha Pilada disse...

Também funcionará no trabalho?

Maria disse...

Lol, Castanha, experimenta a ir de máscara,vais ver..:))

Emiele disse...

Bom Dia a todos!

Pois é, Zé Palmeiro, não a inventei mas é uma brincadeira sem importância, e dizer gripá dá para desmistificar um pouco o pânico que sinto nalgumas pessoas. Porque cautela é uma coisa, pânico é outra.
Castanha, lá no trabalho não sei mas no teu caso que lidas com muitas pessoas és capaz de assistir a cenas "interessantes" lá entre os clientes. A Maria brinca mas não te admires que venha uma ordem para trabalhares de máscara!!!
Maria, esta cena do espirro não inventei, vi mesmo!!! Talvez não tanta gente a fugir, mas algumas pessoas lá da praia mudaram de lugar :)
Esse enfermeiro sabia usar os expedientes!
eMe-a-eMe, que bom ver-te por cá de vez em quando!!! Estás a ver que não inventei nada?! :)
Senhora, imagino que no Brasil a coisa esteja no auge. Mas pensa que os teus 'moleques' se forem crianças saudáveis e fortes, apanham uma grande e forte gripe e pronto. Já devem ter apanhado outras sem maus resultados. Os casos verdadeiramente graves são pouquíssimos, e nas outras também há casos graves (o que não quer dizer que não se tenha cuidado, é claro)

Sem-nick, estás a ver a distância da Montanha Mágica e os anos da tuberculose...? Apesar de se saber que ela está a voltar.
FJ, que terrorista pá!
Joaninha, olá amiga. Tu nunca faltas aqui. Mas 'faltaste' quando foste de férias, agora é a vez do King, também pontualíssimo...