segunda-feira, julho 20, 2009

Mãos lavadas


A lavagem, seja do que for, é não só um acto de higiene como também, se pensarmos um pouco, um acto simbólico. Lavar é tirar a sujidade, inocentar, purificar, enfim. O exemplo que ocorre de imediato é o da «lavagem de dinheiro». Mesmo que seja verdade a história de que a expressão teria nascido porque o Al Capone decidiu comprar uma cadeia de lavandarias para justificar a entrada de dinheiros 'pouco legais', a verdade é que essa expressão pegou por ser muito sugestiva.
Uma coisa lavada fica limpa, é claro.
Nós hoje em dia, aqui no primeiro mundo, lavamo-nos muito mais. É costume tomar um duche diário, lavamos os dentes mais de uma vez ao dia, e mesmo o cabelo também se costuma lavar pelo menos uma vez por semana. Ou seja, os costumes deixaram para trás os tempos onde - também por ausência de água canalizada, é importante isso - o banho era quando muito semanal, quando não era o caso de tomar a família toda banho na mesma água e lá ia o bebé com a água do banho...
E, devemos (ou devíamos) lavar as mãos. Afinal é a parte do nosso corpo que mais se suja, porque tocamos com elas em todo o lado.
Há uns tempo, lembro-me que o anterior Ministro da Saúde chamou a atenção para os profissionais de saúde de que, se lavassem as mãos como deviam, poderiam evitar alguns contágios. Na altura a observação caiu mal porque os tais profissionais sabiam isso, mas a verdade é que chamou a atenção para que uma coisa muito simples podia ter resultados importantes. E, este fim-de-semana um especialista em doenças infecciosas voltou a tocar a mesma tecla - lavar bem as mãos pode evitar a transmissão de várias doenças.
Claro que agora se pensa mais na gripe. Mas é certo que de um modo geral, penso que não lavamos as mãos tanto como devíamos. Claro que todos nós, ou a maioria, lava as mãos quando vai à casa de banho. Mas, para além disso, só vejo que se vá lavar as mãos quando estão obviamente sujas. É certo que alguns de nós o fazem quando vão comer, mas nem todos. Vejam nos restaurantes ou pastelarias, por exemplo, quantas pessoas das que se sentam à mesa vão antes lavar as mãos? Relembrem as filas nos balcões dos fast-food, para tudo estar certo, deveria haver uma fila igual em frente da torneira do lavatório, não é? Tanto mais que se pega directamente na comida quase sempre...
Mas estive a ler as recomendações, e reconheço que não costumo lavar as mãos depois de me pentear, por exemplo. E afinal parece que o cabelo pode ser uma fonte de contágio.
Pronto, é prudente passar a ter mais cuidado na lavagem correcta das mãos sem entrar em fobias o que não seria nada bom.
Ao menos que a famosa gripe traga alguns benefícios, como seja habituarmo-nos a esse hábito como nos habituamos ao duche diário.
Porque também temos a nossa quota parte de responsabilidade em nos manter saudáveis, e lavar as mãos (para não aceitar responsabilidades) só o Pilatos!

19 comentários:

Maria disse...

Bom dia!
Está muito interessante o modo como conduzes o tema, através do texto,a terminar, de forma sublime,com o "lavar de mãos" de Pilatos!
È muito importante retirarmos a carga fóbica, do "gesto" - pensando no que referes no texto.
Eu que, passo muito tempo na cozinha e nas lides doméstica
e nas lides domésticas, tenho as mãos gastas de tanto as lavar... ehehe!

Emiele disse...

Bom Dia Maria!!! Cedinho, heim?!Ainda bem que passei essa ideia, que para mim era importante o «nem 8 nem 80». O lavar desnecessariamente não tem nenhuma vantagem e... gasta água.
Mas a verdade é que muita gente lava de menos. Isso dos restaurantes é uma evidência. Nem 10% vai lavar as mãos!

josé palmeiro disse...

Puxa que o pessoal, ou não se deita, ou se levanta muito cedo.
Pois, tal como dizes, o que iteressa é lavar mesmo e bem. És muito otimista quando falas nos, menos de 10% que lava as mãos nos restaurantes, só que a maior parte das casas de banho também não são convidativas e lavar as mãos tendo depois de as limpar, àquelas toalhas, é bem pior que as não lavar.
Mas tudo com conta peso e medida, excessos só leva à paranoia e ao gasto excecivo de água e como diz a Maria, isto de levantar cedo para acudir aos afazeres da cozinha e da restante "casa", com detergentes e sabões de vária ordem. é demais.

Maria disse...

Hoje tive um amanhecer sem grandes afazeres, o mais novo já está de férias e assim fico mais livre.
Tens razão no que afirmas em relação ao lavar de menos pela "evidência" que dás conta e que eu, agora com tua chamada de atenção, também reparo.
Há também uma outra preocupação - o pão, o seu fabrico e transporte - pelo menos aqui pelas minhas bandas, eu noto poucos cuidados higiénicos.

Maria disse...

Cuidados de higiene e não higiénicos, assim fica melhor.

Emiele disse...

Estou divertida! Este grupinho, como disse o Zé, é de pouco sono... (Ná, eu deito-me sim, nem gosto de me deitar tarde, só que também acordo cedo... Mas aí nos Açores é mesmo uma alvorada, meu amigo!)
...........
Claro que tens razão, alguns restaurantes que ostentam grandes galas na entrada e nos enfeites, quando se chega ao WC é de fugir... O que eu acho (mas é só a minha opinião) é que uma coisa é a casa de banho com sanita etc, outra poderiam ser uns pequenos lavados, apenas com agua, sabonete, e um modo de secagem prático, que podiam estar espalhados em diversos locais das salas de jantar.
Lembro-me que na China (que nem é famosa pelos seus níveis de higiene) nos restaurantes quando traziam o «couvert» (??) vinha também uma toalhinha encharcada em água quente para limparmos as mãos.

méri disse...

:))

Realmente, estamos em sintonia!
Lembro-me muito bem quando se falou na lavagem das mãos nos hospitais!
Eu costumo dizer que lavar mais vezes é importante, mas mais importante é: quando se lava que se lave como deve ser - já que se gasta água e sabão, lave-se bem. Se pensares bem(e observares) a maior parte das pessoas passa as mãos por água ou lava as pontas dos dedos... e as torneiras públicas devem ser fechadas com o papel com que se limpam as mãos! ou então depois de se atirar muita água e sabão enquanto se vão lavando as mãos...

Joaninha disse...

Ora aqui temos um post fresquinho, para o calor que hoje promete! Só o ver a imagem já nos refresca!!!! :)
OK, à medida que vão chegando mais comentários, vai-se dizendo aquilo que eu vinha toda pronta para dizer...
Já nem me lembro de mais nada para acrescentar.

O conselho da Méri é muito bem visto. Afinal quando uma pessoa com as mãos sujas abre a torneira, está a deixar lá os seus germes... se lhe vamos tocar no fim, vamos recuperá-los... Já há lavatórios públicos onde as torneiras têm um sensor, abrem quando as mãos estão lá debaixo e fecham quando saem. Devem ser caras, mas isso é mesmo o melhor.

Joaninha disse...

Só para acrescentar à observação do Zé sobre certas 'toalhas' (uns trapos é que aquilo é!) que tenho encontrado. Nesses casos, acabo por sacudir as mãos e deixá-las secar!
A sério. Ao olhar para as toalhas aquilo até dá nojo.

kika disse...

Sim, com todos estes conselhos, não há mais a acrescentar.
Todos muito bem lembrados.
Um pouco ainda dentro do contexto, há dias fiquei furiosa com o Centro Comercial da Foz, em plena avenida que tem lojas que vão desde sapataria, roupa ,decoração ,antiguidades, comes e bebes do costume, com as casas de banho fechadas.Como tencionava tomar um café dirigi-me a uma cafetaria e perguntei, porque estavam as casas de banho fechadas.Fui informada de que só podiam ser utilizadas por quem fizesse consumo. Cada logista tem a sua chave, e é assim bem á portuguesa, digo eu...
Reclamar? Livro de reclamações?
Para quê? Estou na 2ª cidade do País, isto para mim diz tudo...

kika disse...

Só mais uma coisinha, já agora, como os restantes amigos, não se esqueçam de hidratar as mãos, caso contrário ficamos com as mãos velhinhas de tanto lhe retirarmos a camada natural de proteção á pele!!
Aliás a Maria refere isso, que tem as mãos gastas.
Muito creminho ao longo do dia e em especial á noite antes de dormir.

Mary disse...

Pegando no que disse creio que a Joaninha, a complicado é que quando se diz «casa de banho» (onde aliás não se toma banho...) tem de ser um compartimento com sanita e penso que essa instalação é mais cara e exige empregados para a limpar regularmente. Se espalhassem por aí pequenos lavabos, apenas um lavatório com torneira e sabonete talvez não se fizesse um bicho de sete cabeças como se faz.
De acordo com a Kika, também acho que em grande parte dos Centros Comerciais há muito poucas casas de banho, e ainda por cima estão mais ou menos 'escondidas', mas se encontrar uma andamos para ali às voltas!!!!

mary disse...

Ups! Queria dizer «para» e não «mas»

Inês disse...

lavar as mãos
sempre antes de comer
cheirinho a sabonete
só pode dar prazer...


... e já era assim que os meninos rabinos ensinavam os nossos filhos há n anos

zorro disse...

Isto hoje está animado nos comentários, com leitores que não costumamos ver por cá. Parece que o «cheirinho a sabonete» (boa, Inês!!!) atraiu mais pessoas.
Por outro lado como disse a Joaninha, é um «post fresquinho» e já agora a cheirar bem!! Também gosto de água e sabonete, então agora no Verão, comn este calor só ver esta imagem já me soube bem..
(por outro lado odeio, mas ODEIO mesmo, aqueles perfumes baratos ou muito fortes que há quem se encharque neles quando chega ao Verão; gagh!)

King disse...

Passei por aqui depois do almoço (hoje não deu mais cedo, a minha manhã foi complicada) e realmente já está tudo dito...
Aqui o amigo Zorro deu o toque do Verão e os cheiros fortes de perfumes (??!) que dá logo a ideia que é para abafar os «outros cheiros» de falta de higiene.
Depois muitos de vocês disseram e é importante, limpeza é uma coisa, obsessão é outra. Há para aí uns maluquinhos que devam ter apele engelhada de tanto a lavar. Há gorduras naturais, como lembrou a Kika, que devem ser consideradas. Há para aí sabonetes com glicerina a coisas dessas que não secam a pele.

Joaninha disse...

Kika essa é formidável!!! «Sirva-me aí já, já, um café e um queque que estou muito aflita por ir à casa de banho!!!»
Aliás o absurdo total é exactamente isso, se devemos lavar as mãos ANTES de se tocar nos alimentos que vamos comer, como é que se faz? Ficam as coisas na mesa, à espera, que nos dêem a chave (também suja decerto) para irmos lavar as mãos e depois voltar?!
É o absurdo máximo. mas a verdade é que as casas de banho nos Centros Comerciais, se de uma forma geral são limpos e modernos, também é certo que costumam estar bem escondidos! Primeiro que lá se chegue nunca é fácil. Devem desejar que a gente desista!

Emiele disse...

Bom Dia amigos!

Contra aquilo que gosto, ontem não dei a minha voltinha no final do dia para responder a quem tinha passado por cá... Só hoje o posso fazer:
Realmente tive alguma pontaria em abordar um ponto que interessou muita gente! Até a Méri que só passa por cá de vez em quando e a querida Inês que ainda mais raramente a vejo!!! e a Inês lembrando um ponto importante, afinal é de criança que alguns hábitos de higiene podem ser adquiridos de um modo muito sólido.
A Kika e a Joaninha chamaram a atenção para uma coisa que a mim também me irrita um pouco, o facto de nos Centros Comerciais que nascem por aí que nem cogumelos as casas de banhos estarem tão mal sinalizadas! E nos restaurantes de fast-food, onde se recebe o tabuleiro e se paga, devia estar previsto que depois de se mexer no dinheiro havia um acesso fácil a um lavatório, coisa que como sabem não acontece...

Emiele disse...

Esta conversa nunca mais acaba, mas ainda me apeteceu deitar mais uma acha para a fogueira:
Como sabemos, nos Jardins de Infância as crianças bem pequeninas são ensinadas a lavar as mãozinhas antes de ir comer. Aliás muitas salas de aula têm lavatórios o que faz muito sentido. Contudo, olhem para os refeitórios das cantinas universitárias. Aí, os rapazes e raparigas pegam no tabuleiro, servem-se e no final pagam. Ou seja, mexem em dinheiro que como sabemos é das coisas que passa por muitas mãos e é suja. e depois o que fazem? De tabuleiro na mão vão para a casa de banho?! Estou a lembrar-me da cantina da Faculdade de Arquitectura, onde tudo deveria ser modelar, e a casa de banho (única para dezenas e dezenas de comensais) é na outra ponta do salão, quando seria fácil construir um ponto de água logo a seguir ao balcão onde os estudantes se servem!