sábado, junho 20, 2009

A cor dos telhados

Este sábado não falo de «boas notícias» mas antes de uma boa, ou engraçada, ideia.
Tinha lido por aí, algures, que uns cientistas pensavam que um modo de combater o aquecimento global seria pintar os telhados de branco. Segundo essa teoria como «as coberturas escuras absorvem 80% do calor externo, as claras reflectem até 90% da luz solar» nas grandes cidades que têm telhados escuros, se eles passassem a ser brancos a tendência quase se invertia.
Bem, mas nós em Portugal, sobretudo no Centro e Sul usamos telhados feitos de telhas (como o nome indicada) e as telhas mais comuns têm uma típica cor de tijolo. Uma cor viva, até alegre e não especialmente escura. Além de que o branco dá um pouco ideia de uma coisa um tanto fantasmagórica…
Mas li agora uma outra hipótese, e essa mais bonita e simpática: telhados verdes. Parece que se já usam bastante nos países nórdicos, e na Alemanha, mas agora avançam para a América do Sul – México, Bolívia, Cuba.
Vantagens: a) criar pequenos pulmões das grandes cidades criando corredores que facilitem a circulação atmosférica b) melhorar o microclima, c) reduzir o consumo de energia por um decréscimo no uso do ar condicionado em regiões quentes e do frio em regiões com invernos rigorosos d) reter as águas pluviais nas regiões de chuva intensa e) reduzir os efeitos dos raios ultravioletas e os extremos de temperatura e os efeitos do vento (porque nesses telhados a temperatura não passa de 25º contra o dobro dos telhados convencionais)
Eu cá não sei se isto é tudo verdade, limitei-me a transcrever o que li, mas se for assim não é má ideia.
E não fica nada feio!





9 comentários:

Pedro Tarquínio disse...

só ao ver os slides é que percebi que telhados verdes não se referia à cor mas a um conceito a fazer lembrar o arq. Ribeiro Teles.
bonito e útil.
Aliás, ideias para aproveitar telhados não faltam, tais como os paineis solares ou aproveitamento das águas da chuva.

aquilo que há uns anos eram ideias de uns excêntricos amigos dos passarinhos está a criar raízes. ainda bem.

josé palmeiro disse...

Para já, Bom Dia a todos e em especial para ti, que deves estar no teu refúgio de fim de semana.
A ideia parece-me excelente mas, gostaria de ouvir os especialistas, refiro-me aos arquitectos, pois esta construção, leva-me a pensar que do ponto de vista de isolamentos se torna complicado e caro. Mas a ideia é boa e só me lembra uma outra que ontem foi noticiada e que refere a construção de uma horta, por iniciativa da Michelle Obama, nos jardins da Casa Branca, de forma a tornar a casa presidencial, auto suficiente em legumes. Segundo a notícia, a ideia parece ter pegado e a criação de diversas "hortas urbanas", nos terrenos baldios e jardins de Wastington, tem crescido de forma exponencial. Uma ideia um tanto paralela com a que descreves.
E se nós, por cá, fossemos fazendo o mesmo?

josé palmeiro disse...

Bem lembrado, Pedro.
O exemplo da Fundação Gulbenkian, da autoria do arq. Ribeiro Teles é magnífico.

Maria disse...

Olha, e eu que há pouco tempo tinha, no meu refúgio, um telhado todo verdinho, como os do slide (parecem-me cobertos de musgo (?) não pintados) e, para limpar as telhas e substituir algumas, por outras rústicas, tive uma grande trabalheira e despesa e afinal tinha um telhado ecológico?!
(Há qualquer coisa que não entendo; eu tinha a ideia que, as ervas nos telhados ou coberturas, seriam uma das causas das infiltrações de água nas casas.)
Um bom fim-de-semana, a todos!

André M. Palmeiro disse...

E já agora um bocadinho de espírito de sacrifício também faria falta, como combater a proliferação cogumelar de ares condicionados e outros equipamentos quejandos que a única coisa que fazem é adulterar o ar e introduzir problemáticas no domínio do ruído ainda escassamente escalpelizadas. Num mundo em que a urbanidade é uma crescente imparável e em que temos muita dificuldade em escorar alternativas, talvez fosse altura de abrirmos os olhos e abdicarmos um poucochinho do nosso tão prezado e, diria mesmo, preguiçoso conforto!

Didas disse...

Hmmm... aquilo não criará bicharada?

snowgaze disse...

Por cá (Alemanha) esses telhados "verdes" são obrigatórios em certos tipos de telhados: por exemplo, os telhados horizontais que costumam fazer parte das garagens, e telhados com inclinação baixa (não sei quantos graus, mas poucos, muito menos que o normal em Portugal). Segundo o que ouvi de especialistas, esse tipo de cobertura é excelente para a climatização das áreas que ficam por baixo (nas garagens não tem importância, mas quando se trata de últimos andares de casas, torna-se interessante).

Suponho que em telhados "normais" com inclinações de 30 graus ou mais se torne mais complicado manter esse tipo de vegetação, principalmente em zonas onde há muita chuva... mas posso estar redondamente enganada.

Algumas dessas fotos parecem mais é jardins no telhado, o que já será algo totalmente diferente (e mais interessante do ponto de vista de quem pode usufruir deles!).

Joaninha disse...

Ehehe, Didas, essa da bicharada já arrumou com alguns voluntários!
Eu fiz agora uma mini-mini-pesquisa (Valha-nos São Google!) e percebi que isso implica umas obras ainda carotas, com uma caixa por baixo, exactamente por causa das infiltrações. Mas afinal se regulariza a temperatura das casas, gasta-se primeiro mas poupa-se depois.

Emiele disse...

Olá a todos!!

Caríssimos, deixo aqui o link onde fui buscar a informação:
Está aqui

Neste caso o Ribeiro Teles não estava tão entusiasta, mas outros arquitectos sim.