quarta-feira, dezembro 24, 2008

São Nicolau? Quem?....



Olhem que há cada maduro!
Uma cidadezinha alemã, minúscula, (3.000 habitantes) decidiu banir o Pai Natal
Naquelas cabeças iluminadas, assim vão «preservar as tradições do Natal, frequentemente esquecidas nessa época do ano em favor do consumismo».
Afirma o Presidente da Câmara que “o Pai Natal é um personagem artificial que não lembra em nada São Nicolau, que ajudava pessoas carentes e era um amigo das crianças” Ah???? O que se sabe da figura-conhecida-como-Pai-Natal (aka Pai Natal) diz que ele também gosta de crianças e não tem nada contra as pessoas carentes!
Essa ideia peregrina de combater o consumismo com esta decisão, é fantástica.
A não ser que o que o maire de Fluorn-Winzeln pretenda promover a sua terra. É que como publicidade, isso já me parece fazer sentido.
Conseguiu que por uns dias andasse nas bocas do Mundo notícias dos jornais...


O São Nicolau vai a cavalo e leva um báculo, o Pai Natal perdeu o báculo e usa as renas. De resto....

9 comentários:

kika disse...

´Transformou-se numa festa como outra qualquer , eu cá tenho as minhas razões para tudo isto me irritar. Que seja o pai natal , ou a mae natal as crianças têm o direito a essa ilusão, sonham com isso como nós sonhamos,quando pasamos por lá e o Natal para mim é delas. O resto é um dia stressante e não é por acaso que o Porto Palácio Hotel tem 200 pessoas para a ceia de Natal.Isto só por si, já significa muita mudança

gui disse...

Olha Kika, já tinha ouvido que há muita gente a passar a consoada num hotel.
Deixa-me francamente de boca aberta! Por um lado, afinal ainda há para aí dinheiro para desperdiçar. Os ricos ainda andam bem ricos. Por outro, ir para um hotel, na minha ideia desvirtua completa e totalmente o espírito do Natal. Como dizes, passa a ser uma festa igual a outra qualquer...

gui disse...

E com isto, acabei por não falar na história que contas no post.
Só pode mesmo ser propaganda lá do senhor. Santa Claus, São Nicolau, Pai Natal, qual a diferença?.....
Que estranha decisão.

Em limite ainda aceitava que se fizesse renascer a ideia do Menino Jesus. Agora trocar uma imagem por outra, é mesmo uma patetice...

Emiele disse...

O estranho é esse «banimento do Pai Natal» ser em nome do anti-consumismo. Claro que o pé pode ter algo a ver com a bota, mas é só a proximidade. se descalçarmos a bota, o pé continua lá...

fj disse...

Bem observado pelo autarca, mas vamos então celebrar o solstício de inverno,parece que desde que há memória,é o verdadeiro significado. E sabe-se lá o que seria antes.

Emiele disse...

Já ali atrás tive um comentário de galhofa em que dizia realmente «Bom solstício de inverno».
E isso é bem mais antigo que o Santa Claus.

josé palmeiro disse...

Mais uma vez o FJ a por o ponto final num, diz tu, direi eu, que nunca mais acaba.
Eu sou do tempo do Menino Jesus, adorava esse dia porque nos juntavamos todos. Tios seis, com as respectivas e os respectivos, menos dois que eram solteiros e primos, onze, comigo doze, mais o Avô ao todo vinte e duas pessoas, num dia de festa, em que o comer e o beber, eram a fatia principal.
As prendas, eram as necessárias, umas botas melhorzinhas, para o Inverno, umas camisolas de lã, feitas pela mãe ou pelas tias, meias e depois uns brinquedos de lata, outros de madeira, uns chocolates e lá ficávamos todos satisfeitos.
Na verdade o que se comemorava, no dia 25, era mesmo a "Festa Pagã" do Solestício de Inverno, que a Igreja apanhou e lhe chamou sua, com o nascimento de Jesus, depois vieram os Vikings com o seu S. Nicolau e agora, é tempo de voltarmos ao início e comemorar o SOLESTÍCIO, que com os estragos desenfreados que lhe infligimos, qualquer dia, muda de nome.
Um Bom NATAL, para TODOS!!!

Emiele disse...

Obrigada, e para vocês também.

Realmente a questão é um pouco (???) tonta e se a escolhi como tema de post para hoje foi porque não me apeteceu tratar aqui de nada mais sério.
Muito boa a tua recordação de Natal, amigo Zé. A minha família era muito, mas muito mais pequenina. E cada vez está mais pequena. Mas nessa altura da nossa infância as prendas eram tal como contas - umas roupas melhores e um ou dois brinquedos. E sabiam tão bem!...

king disse...

E teve a sua propaganda, pois então!!!!!
Se isso não foi publicidade não sei o que seja publicidade!...