terça-feira, outubro 07, 2008

Banco de leite materno

A profissão de ama, uma das mais antigas do mundo, era inicialmente praticada por mulheres que amamentavam bebés que não eram seus filhos. E durante muitos séculos isso sucedeu.
Depois, surgiram leites artificiais, e uma ama passou a ser alguém que cuidava de um bebé mas sem necessariamente o alimentar. Até se chamavam inicialmente «amas-secas».
Mas cada vez se confirma mais que o leite humano é o melhor para ... bebés humanos! Primeiro o da sua mãe, que tem propriedades especiais e cria imunidade a várias doenças, mas o leite humano é de facto o mais adequado aos bebés.
Agora, na maternidade Alfredo da Costa já existe um banco de leite materno muito útil para bebés prematuros.
«As mulheres com excesso de leite podem doá-lo ao banco para suprimir a carência de bebés que não podem ser alimentados pelas mães»
Boa notícia. É uma acção muito importante e um ponto a louvar.

8 comentários:

josé palmeiro disse...

Sem dúvida, uma excelente medida, agora evidenciada pelo escândalo dos leites artificiais, que se tem propagado na China.

josé palmeiro disse...

Linda, a foto!

Emiele disse...

Quando se pode amamentar um filho, é tão bom para os dois (para a mãe também, um momento de ternura enorme) que nem vejo que não se faça.
Mas quando tal é impossível, ao menos que o seja com leite 'natural'.

king disse...

Creio que a campanha a favor do aleitamento materno já quase nem é necessária agora. Houve uma época, onde não sei porquê esteve na moda não se dar de mamar. Mas actualmente todas as mães estão informadas dos benefícios para o bebé e ainda por cima... é mais barato!
Essa ideia de guardar o leite é muito bonita. Mas as mães dos prematuros não chegam a ter leite? Porque o melhor seria ser o delas próprias, não é?

Miguel disse...

Excelente. Por cá ainda se usa :)

josé palmeiro disse...

Acho que já falei disto, mas dada a importância do tema, não resisto.
A minha nora, que já me presenteou com três netinhos, uma com seis outro com dois e uma pequenina, como se os outros fossem grandes, que irá completar quatro meses. Pois bem, sempre teve leite e de boa qualidade, ao ponto de tirar o excesso e guardar para dar depois, nas horas em que não podia amamentar, ou seja, quando estava no trabalho. Ora bem, isto foi com os dois primeiros filhos, agora com a Maria, pensava-se que tudo seria como dantes, mas não, a dado passo a rapariga, teve um mês que só aumentou trezentos e cinquenta gramas e chorava muito, para além da conta, falando com a pediatra, nesse meio tempo, pensou-se que fossem gases e que a Maria chorava, porque passava mal. Mas não, constatou-se por fim que o que ela tinha era fome e que, feitas análises, o leite da mãe tinha perdido as qualidades que anteriormente possuía. Continua a ser alimentada com leita materno mas com suplementos de leite artificial. Se já houvesse esse Banco de Leite, seria com, toda a certeza, bem melhor.
Dizer também que a Maria, deixou de chorar e no mês seguinte à revelação, aumentou setecentos e cinquenta gramas...

Mary disse...

Parece-me muitíssimo bem.
Engrtaçado o lembrares as antigas «amas de leite». Afinal a origem do apelido Colaço, que existe bastante: eram os «colaço» de alguém importante, princípes e assim...

Mas mesmo entre a burguesia, há 200 anos era banal a existência de amas que amamentavam.

king disse...

Só vinha acrescentar, como o Palmeiro, que a foto é formidável. Doce e meiga.