quarta-feira, setembro 24, 2008

Porquê?


Ontem a TV mais uma vez abriu o noticiário com uma notícia terrível:
Um estudante, na Finlândia, entrou na sua escola, matou dez pessoas e depois disparou sobre si próprio
Há pouco menos de um ano, também na Finlândia, tinha-se passado um episódio igual, apenas com menos duas vítimas – de outra vez foram 8 pessoas.
Desta vez o rapaz tinha colocado no Youtube um vídeo mostrando-se a si mesmo a praticar tiro ao alvo, e até tinha sido chamado à polícia por isso, mas consideraram que não haveria perigo.
Infelizmente enganaram-se muito. Havia perigo e gravíssimo.

A notícia dizia que a Finlândia é o país europeu com maior quantidade de armas de fogo per capita.
Porquê???
Eu hoje só tenho perguntas.
Porque é que estes assassinos muito jovens sentem esta necessidade de matar indiscriminadamente os seus pares? (vão quase sempre às suas escolas)
Que violência é esta que consome jovens aparentemente normais?
Porque há tantas armas de fogo naquele país?

É certo que quando se sente a necessidade de agredir qualquer coisa pode servir. Há muitas mortes de arma branca, e uma faca de cozinha pode ser uma terrível arma. Ou um pau. Ou uma pedra. Ou uma corda. Ou até as mãos nuas.
Sabemos isso, que quando se solta a fera que existe dentro de uma pessoa, tudo pode servir para agredir e matar.
Contudo… demora-se mais tempo!
Estas 10 vítimas foram mortas em pouco tempo e com alguma distância do agressor. Porque uma bala é cobarde, não permite defesa, não permite contra-ataque, não dá tempo a fugir.

Porquê isto?
E porquê na Finlândia?



8 comentários:

Miguel disse...

Sim, porquê? Confesso que me causa algum espanto este tipo de situações. E ainda mais o facto de, por cá, com tantas armas na posse de tanta gente que matou, viu matar, disparou e passou por todo um conjunto de situações dramáticas e vive hoje em condições que nada têm a ver com as dos finlandeses, não desatam a ir por aí matar inocentes indefesos... Interrogo-me se tudo isto, os casos filandeses, não terão a ver com a solidão e com tudo o que de negativo isso trás em termos de alteração da percepção da(s) realidade(s) e do mundo, já para não falar da pulverização da herança cultural provocada pela alienação do eu e do próximo nas sociedades contemporâneas mais desenvolvidas.

Um abraço,
Miguel

PS-Já agora, embora não seja "daqui", como podes ver, a "culpa" não morre solteira. O FBI abriu várias investigações no sentido de se averiguar se houve ou não fraude por parte dos administradores/gestores das sociedades financeiras que estão por detrás da presente crise (AIG, Lehman Brothers, Fannie Mae, Freddie Mac, etc, etc). Trata-se de dezenas de sociedades. Lá, pelas terras do Tio Sam, não se brinca com algumas coisas...

Mary disse...

Como toda a gente que ouviu as notícias ontem, fiquei também estarrecida. Já quase estávamos 'habituados' a mantanças destas nos EUA, mas que tal comece a alastrar pela Europa e começndo num país como a Finlândia, é de arrepiar.
O que diz o Miguel é importante. Em terras onde as pessoas têm falta de tanta coisa, afinal quando matam é com uma finalidade - para roubar, ou por uma raiva concreta.
Nestes casos, que parecem de distúrbios mentais, parece querer matar-se o mundo todo. São pessoas que devem estar desiquilibradas e odeiam a vida que afinal materialmente lhes dá tudo.

É o negativo da sociedade da abundância...?

king disse...

Este é um tema que dá pano para mangas e não chega UM post para ele.
Os comentários que se podem ler no artigo do Público são incríveis. Até parece que «a culpa» é do sistema de ensino finlandez!!!!

Só para ver que por cá as coisas nem sempre são muito boas, vejam como um miudo de 13 anos também esfaqueia o pai e a mãe e pelas entrelinhas da notícia parece tratar-se de uma criança de um bom nível social, porque dizem:


«o menor, que frequenta um colégio religioso e não tem qualquer antecedente criminal»

king disse...

Bolas, queria clicar no pre-visualizar e afinal dei entrada no que estava a escrever sem ter acabado.
Bom, mas o que queria dizer é que este menino da zona de Cascais, que como dizem frequenta um colégio religioso, não é um marginal imigrante como o famoso «comando brasileiro da margem sul». E ameaçou os pais de faca na mão.

Mas como dizes no texto do post, uma faca pode ferir uma, duas, três pessoas, mas dificilmente faz uma mortandade como aquela da notícia. Como é que não há restrições sérias ao uso de armas de fogo?!

josé palmeiro disse...

Notícia arrepiante!
Segundo ouvi, não foi o primeiro caso, na Finlândia, pois, já este ano teria acontecido um outro.
A facilidade com que se atribuem armas, por tudo e por nada, são uma parte importante desde fenómeno, mas o fulcro, parece-me muito mais fundo. Para mim, é a falta de valores, a que esta sociedade nos conduz, produzindo verdadeiros criminosos que se movimentam impunes e se vangloriam dos seus mais variados feitos, (veremos se nos EUA, como diz o Miguel, as coisas se aclaram, com a investigação, anunciada ou se a culpa morre, mais uma vez, solteira), que conduzem a estes desesperados estados de alma.
Está na hora de virarmos o MUNDO do AVESSO!

joaninha disse...

Agarro aquilo que disse o Miguel. Nesses países nórdicos, onde é um facto aceite que existem também mais suicídios e depressões, deve haver uma profunda solidão.
Uns auto agridem-se e suicidam-se «sozinhos» outros levam consigo quem conseguem apanhar.
Triste.
Muito, muito triste.

estrela-do-mar disse...

A história para que remete o link do King, também é digna de registo.
Um puto de 13 anos que enfrenta pai e mãe de faca?????
E eles não conseguem «desarmá-lo»???
Mas em que mundo se vive?.....

Mary disse...

Só uma coisa. Ali Tires também não é a Quinta da Marinha... Não é por viver no Concelho de Cascais que o miudo da história do King passa a ter um estatuto de 'riquinho'; não se sabe qual a qualidade da sua familia, nem de que estatuto social é...